Ex-sócio de Eduardo Campos negociou propina de R$ 20 mi na Petrobras, diz delator Edson Jr./Governo SP

Ex-presidente da Camargo Corrêa Dalton dos Santos Avancini

Foto: Edson Jr. / Governo SP

O ex-presidente da Camargo Corrêa e delator da Lava-Jato, Dalton dos Santos Avancini, afirmou aos investigadores da operação ter se encontrado em 2010 com o empresário Aldo Guedes Álvaro, e ex-sócio de Eduardo Campos, no shopping Iguatemi, em São Paulo. No encontro, teria acertado suposto pagamento de propina de R$ 20 milhões da empreiteira para abastecer o caixa 2 da campanha à reeleição do então governador de Pernambuco.

Eduardo Campos morreu em um acidente aéreo em Santos, no litoral paulista, em agosto de 2014, durante a campanha à Presidência da República.

STF determina bloqueio e sequestro de recursos em contas de Cunha na Suíça
Contrato da Petrobras quitou dívida da campanha de Lula em 2006, diz delator

A primeira citação aos R$ 20 milhões havia sido feita pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, primeiro delator da Lava-Jato — ele citou deputados, senadores, governadores e ex-parlamentares que teriam sido beneficiários por recursos ilícitos tirados de contratos de empreiteiras com a estatal petrolífera.

Aldo Guedes Álvaro é investigado pela Polícia Federal por suspeita de ser o verdadeiro dono do jatinho usado na campanha de Campos no ano passado e também foi alvo de buscas durante a Operação Politeia, desdobramento da Lava-Jato que investiga políticos no Supremo Tribunal Federal.

Após a operação, em julho, o empresário deixou o cargo de presidente da Companhia Pernambucana de Gás, Copergás, estatal de Pernambuco, Estado atualmente administrado por Paulo Câmara (PSB), herdeiro político de Campos.

Vice-líder do governo, Silvio Costa pede a PGR afastamento de Cunha
STF devolve a Collor guarda de carros de luxo apreendidos pela PF

Homem de confiança de Campos, Guedes era seu sócio na Fazenda Esperança, área de 210 hectares, e na Agropecuária Nossa Senhora de Nazaré, em Brejão (PE). Ele também é casado com uma integrante da família Campos.

"Contribuição"

No encontro, relatou Avancini, Aldo teria cobrado a "contribuição" de R$ 20 milhões e afirmado que ela havia sido prometida pelo ex-diretor Paulo Roberto Costa. O valor deveria ser pago pelas empresas que tinham conseguido contratos nas obras da Refinaria de Abreu e Lima, megaempreendimento da estatal no Estado de Pernambuco, dentro do esquema de corrupção instalado na Petrobras.

Na época diretor de Óleo e Gás da Camargo, Avancini afirmou a Aldo que a empresa não teria condições de arcar com este valor, o que teria deixado o empresário  contrariado. Ele teria dito "que isso não era o combinado", mas acabou aceitando a proposta e mencionou que o "valor deveria ser disponibilizado rapidamente", relatou Avancini aos investigadores.

"Não sou comentarista de delação", afirma Cunha sobre revelações de Baiano
CPI da Petrobras aprova relatório que livra políticos de investigação

O ex-executivo respondeu que não poderia fazer a transferência tão rápido pois "iria ser estudada uma forma de realizar o repasse". Apesar de contrariado, Aldo Guedes acabou aceitando.

Posteriormente, segundo o delator, a tarefa de viabilizar o repasse da propina foi encaminhada ao então gerente de contrato da Camargo Corrêa para a RNEST, Paulo Augusto Santos da Silva. O valor repassado para o caixa dois teria sido, então de R$ 8,7 milhões por meio de um contrato de fachada da empreiteira com a empresa Master Terraplenagem.

Defesas

A Camargo Corrêa afirma que vem colaborando com as investigações da Lava-Jato e tem evitado comentar as delações de seus executivos. O PSB disse, por meio de nota, "que todos os recursos que financiaram as campanhas de Eduardo Campos para o governo de Pernambuco foram arrecadados legalmente. Inclusive, a conta referente a 2010 foi aprovada pelo Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco."

Na CPI da Petrobras, PSDB pede inquérito policial contra Dilma e Lula
Pedidos de indiciamento ficam fora de relatório da CPI da Petrobras

A reportagem tentou contato por telefone com Aldo Guedes Álvaro, mas o empresário não atendeu às ligações e nem retornou as mensagens. A reportagem também entrou em contato com o escritório do advogado de Aldo, mas não conseguiu falar com ele.

*Estadão Conteúdo

 Veja também
 
 Comente essa história