HQ mostra como modelo brasileiro de coleta de evidências abre brechas para injustiças Arte ZH/

Foto: Arte ZH

Primeiro, tente lembrar de algo marcante vivenciado recentemente – quem sabe uma briga em uma festa. Depois, imagine como estarão essas recordações após meses ou anos. Sobrariam poucos detalhes daqueles estranhos, certo? Você se arriscaria a decidir o futuro da vida de alguém com base apenas nisso?

É o que pode estar acontecendo bem perto, nas delegacias e nos tribunais, onde a memória ainda é uma das principais ferramentas usadas para colocar (ou não) pessoas na cadeia. A ciência garante: não adianta insistir, nosso cérebro não é uma máquina fotográfica, que grava recordações capazes de serem reproduzidas eternamente.

Inspirado por um diagnóstico de como são feitos os testemunhos e reconhecimentos no Brasil, produzido para o Ministério da Justiça e coordenado pela psicóloga da PUCRS Lilian Stein, o Planeta Ciência coloca a memória em xeque em uma história em quadrinhos.

Nessa reportagem especial, descubra como o arcaico modelo de coleta de evidências adotado no país abre brechas para injustiças:



Gostaríamos muito da sua participação. Use a caixa de comentários abaixo para contar experiências com testemunhos e reconhecimentos ou opinar sobre o tema. Boa leitura!

 DC Recomenda
 
 Comente essa história