IML libera corpo de haitiano que foi assassinado em Navegantes Reprodução/Facebook

Fetiere Sterlin foi morto a facadas no bairro Nossa Senhora das Graças

Foto: Reprodução / Facebook

O Instituto Médico Legal (IML) de Itajaí liberou na tarde desta quarta-feira o corpo do haitiano Fetiere Sterlin, 33 anos, assassinado a facadas sábado em Navegantes. Desde então a mulher, Vanessa Nery Pantoja, que é brasileira, tentava a liberação do corpo. O local e horário do sepultamento ainda não foi definido.

Leia mais:
Polícia Civil investiga suposto crime de ódio em Navegantes
Esposa de haitiano assassinado em Navegantes tenta liberação do corpo
Polícia busca imagens para identificar autores do assassinato de haitiano

Vanessa e Sterlin não eram casados legalmente, por isso apenas um parente de primeiro grau poderia retirar o corpo. A mulher chegou a conseguir uma declaração de união estável no cartório da cidade, porém o IML não aceitou o documento. 

Na terça-feira, o órgão aguardava uma informação do consulado do Haiti no Brasil para fazer a liberação.

Polícia Federal deve auxiliar na investigação

O assassinato do haitiano continua sendo tratado como prioridade pela Polícia Civil de Navegantes. Nesta quarta-feira, o delegado responsável pela investigação, Rodrigo Coronha, fazia novas diligências em busca de testemunhas do crime. A principal hipótese trabalhada pela polícia é crime de ódio.

A repercussão da morte do haitiano também levou o Ministério da Justiça a emitir nota oficial na noite de terça-feira. O ministro José Eduardo Cardozo determinou que a Polícia Federal auxilie as investigações, que estão a cargo da Polícia Civil.

Na manhã desta quarta-feira a Delegacia da Polícia Federal em Itajaí informou que ainda não havia recebido a requisição oficial para entrar no caso.

Na nota oficial, o Ministério afirma que o episódio “ofende nossa histórica tradição de acolhida e respeito aos imigrantes que vêm ao Brasil construir suas vidas e que ajudaram, e ajudam, no desenvolvimento socioeconômico do País”.

Dois adolescentes suspeitos de participar do crime já foram ouvidos pela polícia mas, até agora, ninguém foi preso.

O SOL DIÁRIO
 Veja também
 
 Comente essa história