Impeachment é "página virada", afirma líder do governo na Câmara José Cruz/Agência Brasil

O líder do governo na Câmara dos Deputados José Guimarães

Foto: José Cruz / Agência Brasil

O líder do governo na Câmara dos Deputados, José Guimarães (PT-CE) afirmou nesta quarta-feira que o governo não está preocupado com o novo pedido de impeachment protocolado nesta quarta por líderes da oposição na Casa. De acordo com o petista, o que preocupa o Executivo atualmente é votar a agenda do ajuste fiscal.

— Essa é uma página virada. Não há ambiente político para ser essa pauta permanente aqui — afirmou Guimarães, para quem a oposição está "completamente fora de eixo".

Resposta de Cunha a pedido de impeachment deve ser rápida, diz Mendonça Filho
Análise de novo pedido de impeachment será dentro da legalidade, diz Cunha

O petista aconselhou oposicionistas a discutirem a nova agenda econômica e os projetos do ajuste fiscal que tramitam na Casa.

— A oposição está ausente do debate econômico do país e deveria opinar se é contra ou a favor.

O petista defendeu que a oposição precisa deixar clara sua opinião e, se for contra, apresentar alternativas.

Senado dá início a processo sobre pedaladas fiscais de Dilma
Disposto a resistir, Cunha avalia caminhos a seguir

— Nem nos tempos que o PT fez oposição, que era outra conjuntura, foi tão inexistente, foi tão gritante a falta de propostas para o país — criticou.

O líder também rebateu campanha da oposição do "Natal sem Dilma".

— E se eu devolver na mesma moeda: que tal Natal com DRU, com CPMF? — alfinetou.

Cunha diz que rito de impeachment é semelhante ao do caso Collor
Dilma rebate Cunha: "O meu governo não está envolvido em corrupção"

Na avaliação de Guimarães, o novo pedido de impeachment apresentado nesta quarta-feira não tem consistência ou fundamento e é uma agressão à Constituição.

— Quer dizer que as decisões do Supremo só servem quando atendem a oposição? — questionou, referindo-se ao discurso de oposicionistas de que pretendem apresentar recurso ao plenário, caso o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), indefira o pedido.

Guimarães mais uma vez evitou comentar as denúncias contra Cunha. O peemedebista é suspeito de possuir contas secretas na Suíça, por meio das quais teria recebido propina.

Renan dará 45 dias para Dilma apresentar defesas sobre pedaladas fiscais

— O governo não tem essa pauta na sua agenda, essa é a pauta da oposição — afirmou.

Segundo ele, o governo está preocupado apenas com o diálogo com Cunha para construir a agenda do crescimento.

*Estadão Conteúdo

 Veja também
 
 Comente essa história