Instabilidade e acordo do Pacífico preocupam agronegócio, que responde por 43% das exportações Darci Debona/Diário Catarinense

Ex-ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, mostrou números do agronegócio brasileiro na Expoeste

Foto: Darci Debona / Diário Catarinense

A instabilidade política e cambial, com o dólar batendo em R$ 4 e a assinatura do acordo Trans-Pacífico, que reúne 12 países da América do Norte, Oceania, Leste Asiático, Peru e Chile, são algumas das preocupações do setor do agronegócio, que no ano passado foi responsável por 43% das exportações brasileiras, somando US$ 96,8 bilhões.

Os temas foram debativos no Fórum Catarinense do Agronegócio, promovido pela RBS, no primeiro dia da Expoeste, feira que iniciou nesta quinta-feira e vai até segunda-feira, no parque de Exposições Tancredo Neves, em Chapecó.

O presidente da Aurora Alimentos, Mário Lanznaster, disse que o acordo do Pacífico, com redução de barreiras entre os países membros, deve prejudicar a venda de frango do país para países como a China.

- Nós precisamos ser mais agressivos, fazer acordos comerciais, senão vamos perder a liderança na venda de frangos - afirmou Lanznaster. Atualmente o Brasil é responsável por 34% das vendas internacionais de frango. No ano passado o país vendeu 4,1 bilhão de toneladas para o exterior, com faturamento de US$ 8 bilhões.

E a alta do dólar, que parecia boa para quem exporta, chegou num patamar que traz mais preocupação do que benefício.  A Aurora, por exemplo, exporta apenas 25% da produção. E o milho, principal insumo na alimentação de aves e suínos, aumentou 24% em virtude das vendas externas, que aumentaram com a mudança do câmbio.

Com isso o custo de produção aumentou e a carne também deve aumentar para o consumidor, o que pode diminuir o consumo.

O ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues, que fez a palestra sobre os números e perspectivas do agronegócio, disse que o momento é de reduzir custos mas não deixar de investir no essencial, que é na tecnologia de produção.

Rodrigues afirmou que nos últimos anos o agronegócio vem salvando a balança comercial brasileira.

Lembrou que, graças à tecnologia, a produção brasileira de grãos cresceu 234% de 1990 a 2014, passando de 58 milhões de toneladas para 209 milhões de toneladas, apenas com um incremento de 50% na área plantada.

Rodrigues disse que o Brasil, China, Ìndia, Rússia e Estados Unidos são os únicos países que reúnem fatores como Produto Interno Bruto superior a um trilhão de dólares, população superior a 80 milhões de habitantes e área agricultável superior a 140 milhões de hectares.

Ele afirmou que o Brasil ocupa apenas 9,4% da área territorial com agricultura e tem projeções de aumentar a produção de alimentos em 40% até 2020.

Para o presidente da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina, Marcos Zordan, o Brasil é quem tem melhor potencial para atender o crescimento de demanda de alimentos no planeta, que deve chegar a 9 bilhões de pessoas em 2050. E Santa Catarina tem uma posição privilegiada dentro do país.

- Nós temos muito o que comemora, temos um status sanitário que nos dá segurança, uma genética e tecnologia de ponta em nível mundial - afirmou.

O presidente da Sociedade Amigos de Chapecó, Cláudio Kracker, só alertou que neste momento de cortes o Estado não descuide do investimentoe em sanidade, que o que garante a liderança nas vendas de carnes.~

Durante o evento foi lançado Prêmio Catarinense do Agronegócio, que será promovido em 2016, pelo Grupo RBS.

- Queremos dar visibilidade ao agronegócio catarinesne - afirmou o gerente executivo da RBS TV, George Fortunado.

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história