Janot manda recado a quem comete ilícito e "esconde bens fora do Brasil" Elza Fiúza/Agência Brasil

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot

Foto: Elza Fiúza / Agência Brasil

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, não quis responder a perguntas sobre o inquérito contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, acusado de envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras, em entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira, mas afirmou que "não adianta esconder bens fora do Brasil porque a cooperação internacional intensa permite identificar e recuperar esses valores".

Janot usou o exemplo da extradição do ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato e ressaltou que as decisões da Justiça brasileira valem além das fronteiras do país, seja para os que fogem para evitar o cumprimento de penas, seja para aqueles que escondem dinheiro e bens de valor no exterior.

STF determina bloqueio e sequestro de recursos em contas de Cunha na Suíça
Vice-líder do governo, Silvio Costa pede a PGR afastamento de Cunha

— Fica também um recado muito claro para as pessoas que cometem ilícitos. É que se o crime hoje é um crime organizado e que muitas vezes não respeita fronteiras, as decisões judiciais valem também além das fronteiras dos respectivos países nacionais — completou.

Para Janot, a extradição de Pizzolato vai servir como precedente para outras extradições a partir da União Europeia.

"Não sou comentarista de delação", afirma Cunha sobre revelações de Baiano
"Vamos continuar diálogo institucional", diz Berzoini sobre Cunha

*Estadão Conteúdo

 Veja também
 
 Comente essa história