Justiça aceita denúncia contra Zé Ferreira, preso na Operação Parada Obrigatória Câmara de Vereadores/Divulgação

Foto: Câmara de Vereadores / Divulgação

A juíza Sônia Maria Mazzetto Moroso Terres, da 1ª Vara Criminal de Itajaí, aceitou denúncia contra o vereador licenciado José Alvercino Ferreira (PP), o Zé Ferreira, preso desde julho pela Operação Parada Obrigatória 2 . Em decisão proferida na terça-feira, ela confirma que o ex-secretário de Administração de Itajaí, Nelson Abrão, e o empresário Julio Cesar Fernandes, também se tornaram réus no caso.

Eles se juntam ao filho de Zé, Jefferson Alvercino Ferreira, ao ex-diretor técnico da Codetran William Gervasi e ao empresário Rudimar Dickel Correia, que já tiveram denúncia acatada pelo Judiciário.

Leia mais:
Prefeitura decide exonerar servidoras denunciadas em operação do Gaeco
Duas servidoras da prefeitura estão entre os nove denunciados pelo MP
Justiça aceita denúncia contra dois empresários em Itajaí
Prefeitura vai abrir sindicância para apurar supostos crimes na Codetran

O documento de 11 páginas apresenta 20 pontos relativos ao processo e que terão desdobramentos nos próximos dias. Entre eles pede que a prefeitura de Itajaí encaminhe, em cinco dias, o inventário dos veículos que foram levados para o pátio de apreensões de Julio Cesar desde janeiro de 2012, mantém a prisão do coronel da PM Edson Rui da Silva Castilho – cobrando os advogados do ex-presidente da Comissão de Leilões do Estado para que apresente defesa à acusação –, e determina a intimação de seis pessoas moradoras de outras cidades de SC para que prestem depoimento.

Às 9h do dia 28 de outubro, a juíza espera começar a ouvir as primeiras testemunhas do processo que apura supostos crimes envolvendo o órgão de trânsito de Itajaí. Dezoito pessoas foram convocadas: o secretário da Saúde Osvaldo Gern, o atual coordenador da Codetran Ewerson Luis Gama e Manoel Rodrigues Conceição, o Nelinho, assessor de gabinete do prefeito Jandir Bellini (PP) estão entre eles.

A juíza ainda cita a possibilidade de Zé acompanhar os depoimentos por meio de videoconferência, estrutura que o Complexo Penitenciário da Canhanduba possui desde o fim de junho. A medida, argumenta Sônia, “é necessária para impedir a influência do réu no ânimo das testemunhas”.

Veja outras matérias sobre a operação:
O esquema que envolveria a imprensa de Itajaí
Vereador preso ajudaria motoristas a anular multas e liberar carros
Influência de Zé Ferreira se estenderia além da Codetran
Inquérito revela suposto furto de 715 motos e metas de apreensões

O SOL DIÁRIO
 Veja também
 
 Comente essa história