Justiça decreta nova prisão preventiva de Marcelo Odebrecht Antônio More/Agência de Notícias Gazeta do Povo / Estadão Conteúdo

Empresário Marcelo Bahia Odebrecht, preso na 14ª fase da Operação Lava-Jato

Foto: Antônio More / Agência de Notícias Gazeta do Povo / Estadão Conteúdo

O juiz federal Sérgio Moro, que conduz as ações da Operação Lava-Jato, decretou nesta segunda-feira nova prisão preventiva do presidente da maior empreiteira do país, Marcelo Bahia Odebrecht, e de dois executivos ligados ao grupo, Rogério Araújo e Marcio Faria. O magistrado aceitou também a nova denúncia apresentada na sexta-feira contra a cúpula da empreiteira.

Os empresários estão presos desde 19 de junho na deflagração da Operação Erga Omnes, a 14ª fase da Lava-Jato. A decisão desta segunda-feira é a segunda ordem de prisão contra os executivos, desta vez acusados de pagamento de R$ 137 milhões em propinas em oito contratos da Petrobras, entre 2004 e 2011.

Com delação de Baiano, Lava-Jato fecha cerco a entorno de Lula
Grupos fazem manifestações pelo país em apoio à Lava-Jato

Moro indeferiu o pedido do Ministério Público Federal para nova ordem de prisão preventiva contra o executivo César Ramos Rocha, que também está preso desde 19 de junho.

"Defiro parcialmente o requerido pelo MPF e decreto, com base no artigo 312 do CPP, em vista dos riscos à investigação, à instrução criminal e à aplicação da lei penal, nova prisão preventiva de Rogério Santos de Araújo, Márcio Fária da Silva e Marcelo Bahia Odebrecht, desta feita instrumental a esta ação penal".

A custódia havia sido pedida pelo Ministério Público Federal em nova denúncia contra os executivos apresentada na sexta. A força-tarefa imputa a eles a prática de 64 crimes.

PF abre inquérito para investigar campanha de Dilma
Delator acusa Delcídio de receber propina por refinaria de Pasadena, diz TV

Os procuradores da República que subscrevem a denúncia pedem que seja decretado o perdimento "do proveito e produto dos crimes", em valor mínimo de cerca de R$ 137 milhões, além do pagamento de danos mínimos de R$ 275 milhões em favor da estatal referentes aos oito contratos.

 Veja também
 
 Comente essa história