Lula afirma que Bolsa Família e Minha Casa Minha Vida justificam pedaladas de Dilma Ricardo Stuckert/Insituto Lula

"Oposição deveria criar vergonha e deixar Dilma governar este país", criticou Lula

Foto: Ricardo Stuckert / Insituto Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta terça-feira, que a presidente Dilma Rousseff fez as pedaladas fiscais para pagar dois dos maiores programas sociais de sua gestão, o Bolsa Família e o Minha Casa Minha Vida. Ele argumentou que o governo deveria utilizar esta justificativa para explicar à população a adoção das pedaladas, mesmo que tenha admitido não conhecer bem o assunto.

A declaração de Lula foi dada na abertura oficial do 1º Congresso Nacional do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), em São Bernardo do Campo.

Após vitória no STF, governo evita confronto com Eduardo Cunha
Governo Dilma quer paz política e dialogar com opositores, diz Edinho Silva

— Estou vendo a Dilma ser atacada por conta de umas pedaladas. Eu não conheço o processo, mas uma coisa, Patrus (Ananias, ministro do Desenvolvimento Agrário, que estava no evento), que vocês têm que falar é que talvez a Dilma, em algum momento, tenha deixado de repassar o Orçamento para a Caixa, porque tinha que pagar coisas que não tinha dinheiro. Ela fez as pedaladas para pagar o Bolsa Família, ela fez as pedaladas para pagar o Minha Casa Minha Vida — disse Lula.

O ex-presidente disse que "todo mundo sabe" que o Minha Casa Minha Vida subsidia trabalhadores que ganham até três salários mínimos.

— Tem um forte subsídio do governo, o dado concreto é que custa caro ao governo, é investimento que o governo faz — e continuou:

— Se o governo não subsidiar, não acontece.

Dilma encontra Lula em SP e busca apoio de movimentos sociais
Cunha adia decisão sobre impeachment de Dilma, diz jornal

E fez um paralelo com a crise de 2008, dizendo que ela já consumiu mais de US$ 10 trilhões para salvar o sistema financeiro.

— Imagina se isso fosse colocado nas fábricas para ajudar os trabalhadores e se fosse colocado para combater a fome no mundo?

Ao ser chamado para compor o palco, ao lado de dirigentes sindicais, representantes de movimentos sociais e de políticos, como o prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho (PT), e o ex-senador e atual secretário de Direitos Humanos da Prefeitura de São Paulo, Eduardo Suplicy, entre outros, Lula foi recebido em pé sob aplausos e palavras de ordem dos participantes do congresso.

O 1º Congresso Nacional do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) ocorre até o dia 16 e reúne 4 mil camponeses de 20 Estados brasileiros, no Pavilhão Vera Cruz, em São Bernardo do Campo, com o tema "Plano camponês, aliança camponesa e operária por soberania alimentar".

Rosane de Oliveira: dia decisivo para futuro de Dilma
Oposição se reúne em Brasília para definir estratégia do impeachment

"Oposição deveria criar vergonha e deixar Dilma governar este país"

O ex-presidente Lula criticou duramente a oposição, sobretudo o PSDB, que tem defendido a tese do impeachment ou a renúncia de sua afilhada política, a presidente Dilma Rousseff.

— A oposição deveria criar vergonha e deixar a Dilma governar este país — afirmou Lula.

Num discurso de cerca de meia hora, no qual disse que as gestões petistas ajudaram a reduzir as diferenças sociais no país, Lula afirmou que essa é a razão "do ódio que está instalado neste momento no país". E culpou a oposição pelo que considera um clima de "baixo astral e baixa autoestima" que vem tomando conta do país.

— A oposição fez a autoestima do povo ficar em baixa.

No feriado, Dilma reúne ministros para discutir impeachment
Deputados da oposição acreditam que Cunha irá aceitar pedido de impeachment de Dilma

— Perdi três eleições neste país, voltava pra casa e, como dizia Brizola (ex-governador do Rio Leonel Brizola), ia lamber as minhas feridas. Eles governavam com a maior tranquilidade. Agora, eles perderam a quarta eleição e não se conformam. Em vez de esperar a quinta, não saíram do palanque. Eles deveriam criar vergonha e deixar a Dilma governar este país — disse Lula em seu discurso.

Sair do gabinete

Apesar de defender sua afilhada política, o ex-presidente Lula voltou a cobrar que Dilma saia do gabinete, "com ar condicionado" de Brasília, para ir às ruas.

— Quando as coisas não estão indo muito bem, não tem remédio senão ir ao encontro do povo — disse.

Leia as últimas notícias

E continuou:

— Se eu pudesse convencer a Dilma, ela iria ao congresso da CUT (cuja abertura será na noite desta terça) e ao congresso do MPA.

Lula disse que, quando se é governo ou dirigente, "é preciso ir ao encontro do povo para receber oxigênio novo, para ganhar nova motivação e sentido para governar". E lembrou que foi exatamente para atender essa parcela da população que ele criou o PT. Lula ironizou que no gabinete presidencial não entra notícia boa nem manchete de jornal favorável ao governo, daí a necessidade de ir às ruas, ao encontro do povo.

*Estadão Conteúdo

ESTADÃO CONTEÚDO
 Veja também
 
 Comente essa história