Lula diz, em entrevista na BA, que seria desleal pedir o afastamento de Levy HUGO VILLALOBOS/AFP PHOTO

"Se a Dilma quiser ficar com Levy, ela fica; se quiser tirar, ela tira", afirmou o ex-presidente

Foto: HUGO VILLALOBOS / AFP PHOTO

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva negou ter pedido o afastamento do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, à presidente Dilma Rousseff. Em entrevista a Mário Kertész, da Rádio Metrópole, de Salvador, Lula disse que tal movimento seria "desleal". Ele também disse que não indicou o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles para o cargo.

— Eu não seria desleal com a Dilma, não seria desleal com o Levy e não seria desleal com o Meirelles. Eu não sou o presidente e não tenho o direito de indicar ninguém. Eu tenho o direito de torcer para que a presidenta Dilma escolha as pessoas mais corretas — disse, na entrevista realizada na manhã desta sexta-feira.

Em jantar com Dilma, Lula avalia que Levy tem "prazo de validade"
Kátia Abreu defende Levy e diz que ele faz o que "economista responsável faria"

Lula afirmou que, quando Levy foi indicado para o ministério, ele argumentou que era a "melhor notícia" que Dilma havia dado desde a vitória da reeleição.

— Foi o primeiro momento que a imprensa falou com carinho de uma indicação da Dilma — destacou.

— E ele (Levy) tem a responsabilidade de fazer o ajuste, agora ele também não tem o controle do Congresso Nacional — ponderou.

Falcão diz que não se sentiu desautorizado por fala de Dilma, mas critica ajuste fiscal
Dilma diverge do PT e diz que Levy fica no Ministério da Fazenda

— Se a Dilma quiser ficar com Levy, ela fica; se quiser tirar, ela tira. Eu vou continuar apoiando, torcendo para o governo dar certo. Porque, se o governo não der certo, quem perde não é a Dilma, quem perde sou eu, é você, é o povo brasileiro — completou o ex-presidente.

Cunha

Lula negou qualquer tipo de acordo com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que evitasse a cassação do deputado em troca de  não deixar passar processos de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, como veiculado na imprensa.

— Não tem acordo, porque eu não tenho nem mandato para fazer acordo. O que eu tenho é liberdade para conversar com todo mundo — afirmou o ex-presidente.

Contrato da Petrobras quitou dívida da campanha de Lula em 2006, diz delator
Mesmo antes de ser lançado, diário de FHC já gera reações entre políticos

O ex-presidente defendeu o direito do peemedebista à defesa e disse que, se for culpado, vai pagar.

— O Eduardo Cunha tem que ter o direito de defesa que eu quero pra mim, pra Dilma, pra todo mundo. Ele tem que ter apenas o direito de se defender. E se ele for culpado, ele vai pagar como todo mundo tem que pagar nesse país —disse na entrevista.

Lula disse ainda que não quer afundar Cunha, mas pediu que ele coloque em votação as pautas de interesse para o governo e para o país.

— Enquanto ele for presidente da Câmara, ele vai determinar a pauta do Congresso Nacional e nós temos interesse em aprovar não só parte do ajuste, aprovar a CPMF, o orçamento, mas aprovar outras medidas que estão lá que são importantes — disse.

Collor pressionou por compra de R$ 1 bilhão na BR Distribuidora, acusa delator
Delator diz que pediu ajuda a amigo de Lula por sua relação com Palocci

Impeachment

Com relação ao movimento favorável à saída da presidente Dilma do governo, Lula disse não haver razão para o impeachment, a não ser a "atitude irracional" daqueles que querem chegar ao poder sem esperar as próximas eleições. Ele afirmou ainda que as pessoas estão "tomando juízo" e que, por isso, avalia que a "conversa" de impeachment vai acabar logo.

— Não há nenhuma razão jurídica, nenhuma explicação a não ser a atitude irracional de querer fazer o impeachment da presidente. Não há um fato — disse.

O ex-presidente repetiu a argumentação de que a oposição não se conforma com a derrota nas urnas.

CPI da Petrobras retoma discussão sobre parecer final nesta tarde
Com delação de Baiano, Lava-Jato fecha cerco a entorno de Lula

— Eu nunca acreditei que vai ter impeachment, porque seria uma coisa tão irracional, de tanta instabilidade pra esse país. Imagina que todo mundo que ganha as eleições, no dia seguinte a oposição vai estar nas ruas pedindo impeachment? — questionou

*Estadão Conteúdo

 DC Recomenda
 
 Comente essa história