Um estudo divulgado nesta quinta-feira na revista Current Biology mostrou que os macacos bugios machos donos de "vozes" mais graves - útil para atrair as fêmeas - têm os testículos menores.

Para a pesquisadora Leslie Knapp, os resultados fornecem um olhar fascinante sobre uma compensação evolutiva nesta espécie de macacos que vive na América do Sul e Central.

"A ideia existiu desde Charles Darwin, mas é a primeira vez que alguém conseguiu demonstrar esta relação entre as características vocais e a produção de espermatozoides", explicou Knapp, professora e diretora da faculdade de antropologia da Universidade de Utah.

"Nosso estudo mostra que Darwin provavelmente tinha razão ao sugerir que os rugidos dos macacos bugios são importantes para sua reprodução".

Os machos com vozes mais graves tendem a viver com um harém, formado por poucas fêmeas e outros machos que competem com eles ao seu redor.

Ao contrário, aqueles com os testículos maiores e vozes menos poderosas devem competir pelas outras fêmeas com os demais machos. As fêmeas, nestes casos, acasalam com vários parceiros.

Sob estas condições de concorrência, a capacidade de criar mais esperma através de grandes testículos, poderia ser um benefício para conseguir fertilizar um óvulo, dizem os pesquisadores.

Knapp acredita que trata-se de "soluções diferentes para o mesmo problema" de evolução.

O estudo, co-escrito por Jacob Dunn, um biólogo evolucionista da Universidade de Cambridge, foi baseado na medição do hióide, um osso localizado debaixo da língua que permite que os macacos façam chamados mais fortes e mais profundos.

Os pesquisadores usaram um scanner de laser 3D para medir os ossos hióides de 255 macacos bugios obtidos de museus nos Estados Unidos e na Europa.

Eles, então, coletaram dados sobre o tamanho dos testículos que foram encontrados em pesquisas publicadas em 66 bugios.

Os pesquisadores também mediram diretamente os testículos de 21 macacos em zoológicos de Brasil e Alemanha.

Para estes macacos "não é possível ter hióides grandes e, ao mesmo tempo, grandes testículos. Isso provavelmente ocorreu porque os indivíduos dentro de uma espécie conseguiram ter mais filhos se tinham uma grande hióide. E em outras espécies, tinham mais sucesso se tivessem testículos grandes", disse Knapp.

Seja qual for a razão para esta diferença, ambos os macacos bugios fêmeas quanto as fêmeas da espécie humana parecem preferir uma voz grave quando se trata de escolher um parceiro.

Isso pode ser porque "uma grande hióide pode deixar um homem mais atraente para as mulheres ou fazer com que os outros homens sintam-se intimidados, o que é uma boa razão para ficar em seu harém", afirmou Knapp.

* AFP

 DC Recomenda
 
 Comente essa história