Malan vê combinação "rara" de incertezas Alex Bandeira/Divulgação

Foto: Alex Bandeira / Divulgação

Mesmo deixando claro que não perdoa a expressão "herança maldita" para se referir à situação econômica em que deixou o país, o ex-ministro Pedro Malan fez com elegância suas críticas à administração das finanças do Brasil, em especial desde 2006, com o que chamou de " inflexão desenvolvimentista".

Vendas do comércio e vagas de emprego devem cair neste Natal, prevê CNC
Levy: pela 1ª vez em muitos anos, expectativas de inflação convergem para a meta

Convidado para abrir o 26º Congresso Nacional de Executivos de Finanças, nesta segunda- feira à noite, Malan também não fugiu da comparação entre as transições FHC 1 e FHC 2, nem com a passagem de FHC para Lula. Primeiro, voltou a agosto de 1998, quando a Rússia pediu moratória de sua dívida e o fundo americano LTCM, o que foi decisivo para que o Brasil precisasse de ajuda do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Na época, lembrou Malan, o governo mudou o regime cambial, estabeleceu o sistema de metas de inflação e fez um programa plurianual de previsões de superávit fiscal que, segundo ele, foi "cumprido à risca". Depois, lembrou que em 2002, o dólar quase dobrou de valor entre abril e outubro de 2002, durante a eleição que culminou com a vitória de Lula, gerando um desequilíbrio que, graças a uma "política macroeconômica não petista", foi rapidamente revertido.

Dólar cai novamente e fecha cotado em R$ 3,90
Como o dólar a R$ 4 impacta no seu bolso

Nesta transição, observou Malan, estão combinadas incertezas políticas, econômicas e uma investigação de "envergadura inédita" que, em sua avaliação, aumenta a insegurança. Apesar de "rara", afirmou, a situação precisa ser enfrentada porque "nenhum país se suicida coletivamente".

Clóvis Tramontina: vamos "resistir tudo o que der" para não fazer demissões
Leia as últimas notícias do dia

Apesar de sugerir que a solução para os problemas atuais do Brasil não será simples nem rápida, Malan apontou "condições básicas" para perseguir esse caminho: a força e a inserção global do setor privado, incomparável a qualquer outro país em desenvolvimento, ilhas de excelência no setor público, uma imprensa investigativa independente do governo e, frisou, nenhum espaço para retrocesso democrático.
ZERO HORA
 Veja também
 
 Comente essa história