Ministério da Justiça emite nota de pesar por morte de haitiano em Navegantes e oferece apoio nas investigações Reprodução/Facebook

Foto: Reprodução / Facebook

A repercussão da morte do haitiano Fetiere Sterlin, 33 anos, em Navegantes, que é tratada pela polícia como um possível crime de ódio, levou o Ministério da Justiça a emitir nota oficial na noite de terça-feira.

O ministro José Eduardo Cardozo determinou que a Polícia Federal auxilie as investigações, que estão a cargo da Polícia Civil.

Polícia busca imagens para tentar solucionar morte

Na manhã desta quarta-feira a Delegacia da Polícia Federal em Itajaí informou que ainda não havia recebido a requisição oficial para entrar no caso. Na nota oficial, o Ministério afirma que o episódio “ofende nossa histórica tradição de acolhida e respeito aos imigrantes que vêm ao Brasil construir suas vidas e que ajudaram, e ajudam, no desenvolvimento socioeconômico do País”.

Suspeitos já foram ouvidos pela polícia mas, até agora, ninguém foi preso.

Leia a nota oficial:

“O Ministério da Justiça lamenta com pesar a morte do haitiano Fetiere Sterlin, de 33 anos. Morador da cidade de Navegantes (SC), ele foi atacado e morto a facadas por um grupo de cerca de 10 pessoas no último sábado (17). Sterlin chegou a ser socorrido, mas morreu antes de dar entrada no hospital. As autoridades policiais de Santa Catarina informaram que o caso está sendo investigado. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, determinou à Polícia Federal, nesta terça-feira (20), que sejam tomadas providências cabíveis para auxiliar e apoiar a polícia estadual nas investigações. Além de criminoso, o episódio ofende nossa histórica tradição de acolhida e respeito aos imigrantes que vêm ao Brasil construir suas vidas e que ajudaram, e ajudam, no desenvolvimento socioeconômico do País. O Ministério da Justiça continuará a implementar políticas que respeitem a integração dos estrangeiros em nossa sociedade”

Esposa de haitiano ainda tenta liberar o corpo no IML

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história