Grandes multidões de xiitas vestidos de preto chegaram à cidade iraquiana de Kerbala, neste sábado, para comemorar o festival de Ashura - que marca o martírio do imã Hussein, neto de Maomé, morto no século VII.

O festival xiita de Ashura, que foi marcado por ataques no Paquistão e Bangladesh, passou sem incidentes no Iraque.

Muitos xiitas viajantes provenientes de países vizinhos, como Líbano e do sudeste asiático participam das procissões, algumas das quais incluem auto-flagelação.

A festa xiita da Ashura, realizada no mês islâmico de Muharram, comemora o martírio do imã Hussein, neto do profeta Maomé, morreu na Batalha de Karbala no Iraque, em 680.

Os fiéis se reúnem na cúpula dourada onde o ímã está enterrado em Kerbala e acenam seus lenços em sinal de luto.

Alguns fiéis flagelam-se ao ritmo dos tambores com correntes ou facas, manchando de sangue suas vestes brancas, um símbolo de luto.

O festival tem sido marcado por ataques em anos anteriores - o que fez com que as autoridades iraquianas mobilizassem milhares de soldados em todo o país.

"Nossas forças estabeleceram um plano de segurança com mais de 20.000 membros das forças de segurança", disse em coletiva de imprensa Qais Khalaf Rahima, um comandante do exército.

Esta data, a festa mais triste para os xiitas, adquiriu um caráter político e alguns aproveitam a oportunidade para expressar seu desgosto para com a classe política.

"Lembrar o imã Hussein nos dá a força para lutar contra a corrupção e contra os responsáveis que estão no governo", disse Kadhem Hussein, de 52 anos, que viaja todos os anos para Kerbala para a Ashura.

* AFP

 Veja também
 
 Comente essa história