Nardes diz que continua "firme" à frente da análise das contas do governo no TCU Charles Guerra/Agencia RBS

Foto: Charles Guerra / Agencia RBS

O ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Augusto Nardes, relator do processo de análise das contas de 2014 do governo Dilma Rousseff, afirmou nesta segunda-feira, ao jornal O Estado de S. Paulo, que continua "firme" à frente do caso. No domingo, três ministros do governo concederam entrevista para anunciar que a gestão Dilma Rousseff entrará com um pedido formal junto ao TCU para substituir Nardes, alegando que ele antecipou voto, o que é vedado pela Lei da Magistratura, a qual está submetido.

Análise das contas de Dilma é feita de forma política, diz advogado-geral da União

Nardes lembrou que a Corte já analisou outros pedidos de suspeição de ministros.

— Isso (esses pedidos de suspeição) já aconteceu antes no tribunal — disse Nardes, que citou explicitamente o caso que envolveu o pedido de suspeição do então ministro José Jorge, que foi o relator do processo de análise das perdas geradas pela compra da Refinaria de Pasadena pela Petrobras.

Julgamento de contas deve ser concluído no início outubro, diz ministro do TCU
TCU concede mais 15 dias para o governo explicar contas de 2014

Na sexta-feira, Nardes liberou seu parecer prévio aos demais ministros da Corte e recomendou a rejeição das contas federais.

— Países com instituições fracas são nações com problemas. Este não pode ser o caso do Brasil — disse Nardes ao ser questionado sobre o posicionamento dos demais ministros diante do pedido do governo.

O pedido do governo pode ser analisado pelos ministros antes do julgamento ou ocorrer no início da sessão de análise, marcada para quarta-feira à tarde. A manifestação oficial do governo, pedindo a troca de Nardes, deve ser entregue ainda nesta segunda ao TCU pela Advocacia Geral da União (AGU).

Relator do TCU pede rejeição das contas de Dilma em 2014
Manifestantes pedem ao TCU que reprove contas de Dilma por causa de pedaladas fiscais

Além de Nardes, o Ministério Público de Contas (MPC) recomendou, na última sexta-feira, a rejeição das contas federais. A principal distorção apontada por Nardes e também pelo MPC nas contas é a "pedalada fiscal".

As "pedaladas fiscais" foram reveladas pelo Broadcast e pelo jornal O Estado de S. Paulo em julho do ano passado. Consistem nos atrasos propositais do Tesouro Nacional no repasse de recursos aos bancos públicos, que foram forçados a usar recursos próprios para continuar pagando em dia programas sociais obrigatórios.

O TCU entende que, ao fazer isso, os bancos públicos financiaram seu controlador, o governo federal, o que é proibido pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

*Estadão Conteúdo

 Veja também
 
 Comente essa história