O estilo K chega ao fim na Casa Rosada EITAN ABRAMOVICH/AFP

Candidato Daniel Scioli ao lado da presidente Cristina Kirchner

Foto: EITAN ABRAMOVICH / AFP

Cristina Kirchner recebe Dilma Rousseff na Casa Rosada. É janeiro de 2011. Em um dos salões com janelas para a Praça de Maio, a presidente argentina está entusiasmada, quer apresentar à colega brasileira um de seus locais preferidos da residência presidencial: o balcão a partir do qual Evita Perón fazia seus famosos — e dramáticos — discursos aos “descamisados”.

Acompanhe o blog Rodrigo Lopes direto da Argentina

Cristina nunca foi Evita, mas poucas personalidades políticas da Argentina utilizaram a carga emocional do nome tão bem quanto a presidente que deixará, em dezembro, El Sillón de Rivadávia, como é chamada a cadeira presidencial. Ganhe quem ganhar neste domingo, o certo é que um jeito pitoresco, inigualável, de governar deixará de habitar a Casa Rosada.

VÍDEO: Scioli encerra campanha agradecendo a Cristina Kirchner por entregar governo em "paz social"

Iniciado há 12 anos pelo marido de Cristina, Néstor, o projeto de poder do casal K foi interrompido pela morte prematura do ex-presidente, em 2010. Dava mostras de cansaço na última eleição legislativa, a partir da qual Cristina pretendia reformar a Constituição para tentar uma re-releição. Não deu.

Lá se vão 12 anos, e o estilo K — para o bem e para o mal — paira sobre a política, a economia e até sobre a moda argentina. Néstor não tinha papas na língua. Certa vez, após assinar um acordo com o FMI, acusou a diretora-gerente à época, Anne Krueger, de ser “responsável pela decadência” do país. Também se comportava de forma curiosa. Alto, estrábico e um tanto desengonçado com seus ternos maiores do que ele próprio, Néstor adotava a informalidade no trato com seus pares nas reuniões de cúpula.

Uma vez, colocou a mão na perna do ex-presidente dos EUA George W. Bush, durante uma conversa em Washington. Para enfatizar o trecho de sua fala, deu uma sutil apertada na coxa do colega, capturada pelas câmeras de TV, para desespero do americano, que não sabia muito bem o que fazer.

Cristina não carrega nas ações — uma pequena ousadia foi a dancinha inesperada em um ato de campanha de seu candidato escolhido para domingo, Daniel Scioli, há duas semanas. Ela prefere o visual e o discurso: aos 61 anos, fala aos pobres usando relógios rolex, bolsas Louis Vitton, sapatos de Christian Louboutin e o inconfundível rímel preto — acentuado, durante meses a fio, como sinônimo de luto após a morte de Néstor.

— É nossa rainha — gritava uma militante, na quinta-feira, quando Cristina foi muito mais aplaudida ao ter seu nome pronunciado no Luna Park do que nas falas de Scioli e do vice Carlos Zannini juntos.

Argentinos chegam às vésperas da eleição sem garantias de que vencedor sairá no primeiro turno

Nesses 12 anos, tudo passou pela letra K: políticos K, empresários K, juízes K, procuradores K, imprensa pró e contra K. O casal aparelhou sindicatos e abusou do hiperprotagonismo no cenário político e publicitário. Também lançou mão de uma série de medidas populistas, versões argentinas do Bolsa Família, que aqui têm outros nomes: bolsa desemprego, bolsa para detentos, bolsa escola, “bolsa para tudo”, segundo os críticos. São US$ 18,3 bilhões gastos com programas sociais em 2015, cerca de 13% do orçamento nacional e 3,5% do PIB do país.

— Cristina joga agora com a estratégia do medo. Os menos favorecidos a amam. Imaginem se ganha Mauricio Macri e lhes tiram essas benesses? — diz um interlocutor da oposição.

Opositor Macri apoia protesto do campo na Argentina

Tocando fundo no nacionalismo argentino, Néstor e Cristina retomaram a Aerolíneas Argentinas, fundada por Perón, que teve parte das ações vendidas para a espanhola Ibéria nos anos Carlos Menem. Também “renacionalizaram” a YPF, a empresa de petróleo — 51% das ações, antes de propriedade da Repsol, voltaram a ser do Estado, em um processo de expropriação que até hoje os industriais não perdoam.

Economista Batakis será ministra da Economia se Scioli for eleito

No plano internacional, o casal K cerrou fileiras com os chamados bolivarianos — Hugo Chávez e Nicolás Maduro, na Venezuela, Evo Morales, na Bolívia, Rafael Correa, no Equador, e José “Pepe” Mujica, no Uruguai. Mais do que Nestor, Cristina ganhou o povo. Mas colecionou inimigos com um discurso contra grupos industriais, bancos e imprensa. Cristina levantou uma torcida fiel, mas desagradou a muitos. Nas ruas de Buenos Aires, há quem esteja farto do discurso de enfrentamento permanente.

— Que se vaya la bruxa (Que a bruxa vá embora). Ela só fez dividir o país — afirma um jovem de classe média, sentado em um banco da Praça de Maio.

"Desconfiamos de qualquer estatística pública", diz empresário argentino da oposição

Como bruxa ou como rainha, com Néstor ou Cristina, o peronismo, essa corrente política multifacetada fundada por Juan Domingo Perón, ganhou uma roupagem do século 21 que pode fazer o velho general se revirar no caixão: o kirchnerismo. Este não acaba ao fechar das urnas no domingo. Com ou sem a vitória de Scioli.
 
Diário

Na festa de encerramento da campanha do candidato governista Daniel Scioli, na quinta-feira, no Luna Park, o laranja destoava do tradicional azul e amarelo, as cores da bandeira argentina — e, por tabela, do peronismo. É a “onda laranja”, tema de campanha da Frente para a Vitória. Havia até um veículo estranho, com uma televisão adaptada ao para-choque com imagens do candidato.
 
*
Há alguma imprecisão ideológica quando Cristina Kirchner, Juan Domingo Perón e Ernesto Che Guevara aparecem desenhados na mesma bandeira, não? Eram imagens recorrentes no Luna Park.
 
**
Os bottons com imagens de Scioli, Cristina e Perón, da vendedora Carla Nascimiento, encalharam. Eram oferecidos a nove pesos (equivalente a US$ 1 no câmbio oficial) na frente do Luna Park. Os militantes olhavam, perguntavam o preço e agradeciam.
 
***
A cada período eleitoral, o mercado de livros sobre política na Argentina dispara. Na vitrine da famosa livraria El Ateneu, na Rua Florida, títulos como Mentirás tus mortos, Los Agentes de Nestor y Cristina, El Relato Peronista, sem falar dos que prometem “verdades” sobre o caso Nisman, o promotor que investigava as relações do governo Kirchner com o Irã, cujo corpo foi encontrado em seu apartamento em Puerto Madero. Até hoje, aliás, os argentinos se perguntam se foi suicídio ou assassinato.
 
****
 
A previsão é de que os argentinos só descubram se haverá ou não segundo turno por volta das 3h de segunda-feira. A votação é manual. Mas há a promessa de que os autoridades eleitorais contabilizarão primeiro os votos para presidente.





*Zero Hora

ZERO HORA
 DC Recomenda
 
 Comente essa história