O papa Francisco prometeu a ajuda da Igreja para as famílias dos "refugiados que caminham pelas estradas da Europa", durante a tradicional missa de domingo do Angelus, pronunciado a partir da janela do Palácio Apostólico no Vaticano.

"A igreja não nos abandona", pediu o papa argentino, particularmente sensível ao tema por ser filhos de imigrantes italianos.

"Confesso que comparo as fotos dos fugitivos correndo pelas ruas da Europa à profecia do povo peregrino, uma realidade dramática de nosso tempo", disse o papa.

"Essas famílias tão sofridas, retiradas de suas terras, tiveram presentes conosco no Sínodo dos bispos, em nossas orações e nossos trabalhos, através da voz de alguns dos pastores presentes na assembleia", afirmou.

"São pessoas em busca de dignidade, essas famílias em busca de paz continuam conosco, a Igreja não as abandona, porque fazem parte do povo que Deus quer libertar da escravidão e guiar rumo à liberdade", agregou.

Alternando caminhadas intermináveis, viagens por via férrea ou em barcos precários, milhares de refugiados continuam a chegar diariamente à Europa, desviando seu curso em função dos fechamento das fronteiras.

Mais de 600.000 pessoas atravessaram o Mediterrâneo desde o início do ano, uma onda sem precedentes que tem gerado uma crescente hostilidade para com os refugiados em muitos países.

O papa, que de manhã havia presidido a missa solene de encerramento do sínodo dos bispos na basílica de São Pedro, lembrou que a Igreja "caminha ao lado dos menos favorecidos".

"A única forma de salvar os ricos e os primeiros é caminhar com os pobres e com os últimos", alertou.

Francisco agradeceu também a Deus pelas três semanas de "intenso trabalho" durante a assembleia de bispos de todo o mundo, para debater sobre os rumos da família.

"Foi cansativo, mas um verdadeiro presente de Deus que seguramente vai render frutos", disse.

* AFP

 DC Recomenda
 
 Comente essa história