Pedidos de indiciamento ficam fora de relatório da CPI da Petrobras Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados/

Deputado Luiz Sérgio (ao centro, na foto) é o relator da CPI da Petrobras

Foto: Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados

O relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, deputado Luiz Sérgio (PT-RJ), retirou do relatório final sugestões de indiciamento feitas pelos sub-relatores Altineu Côrtes (PR-RJ), Bruno Covas (PSDB-SP), Andre Moura (PSC-SE) e Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP).

Ele excluiu do texto os indiciamentos de pessoas que já estavam indiciadas – praticamente metade da lista apresentada, que tinha inclusive os ex-diretores da Petrobras Paulo Roberto Costa, Renato Duque e o ex-gerente Pedro Barusco, bem como executivos de empreiteiras acusadas de formação de cartel.

Relatório paralelo do PSOL na CPI da Petrobras pedirá indiciamento de Cunha

Luiz Sérgio também retirou os nomes de funcionários de segundo e terceiro escalões da Petrobras envolvidos em processos de licitação, contratação e estimativa de preços de obras. Segundo ele, as irregularidades apontadas por técnicos do Tribunal de Contas da União (TCU) ainda não foram comprovadas.

— É preciso respeitar o amplo direito à defesa — disse o deputado.

Delator diz que pediu ajuda a amigo de Lula por sua relação com Palocci

Ele reiterou que não há, nos depoimentos dos delatores da Operação Lava-Jato, qualquer menção a irregularidades praticadas pelos ex-presidentes da Petrobras José Sérgio Gabrielli e Graça Foster, nem pela presidente Dilma Rousseff (ex-presidente do Conselho de Administração da Petrobras) e pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Luiz Sérgio argumenta que a Operação Lava-Jato nunca comprovou a participação dessas pessoas em ilícitos.

— Daí porque sou obrigado a me posicionar contra as sugestões de indiciamento em que não restou comprovada a autoria e a materialidade dos crimes — disse.

Collor pressionou por compra de R$ 1 bilhão na BR Distribuidora, acusa delator

Ele também retirou sugestões de indiciamento de representantes legais de empresas envolvidas em irregularidades.

— É necessário haver a individualização dos acusados, além da materialidade e autoria dos delitos — explicou.

Conclusões

O relatório da Luiz Sérgio, com 754 páginas, argumenta que a Petrobras foi vítima de ações individuais e contesta a tese de que havia corrupção institucionalizada na empresa.

Luiz Sérgio também faz críticas à Operação Lava-Jato, ao Ministério Público e à Justiça na condução dos inquéritos e processos relativos às irregularidades na Petrobras. Ele questiona delações, como a do doleiro Alberto Youssef; considera excessivo o número de delações premiadas; discorda da tese de que pagamento de propina foi feito mediante doações oficiais de campanha a partidos políticos; afirma que não se pode “carimbar” doações como propinas e considera que as mesmas empresas doaram para o PT e o PSDB.

Além disso, o texto sugere mudanças legislativas, como a regulamentação de delações premiadas feitas por réus presos e a instituição de prêmios financeiros para quem fornecer informações sobre ilícitos.

 Veja também
 
 Comente essa história