Polícia Civil investiga suposto crime de ódio em Navegantes Reprodução/Facebook

Associação dos Haitianos de Navegantes divulgou a morte de Fetiere no Facebook

Foto: Reprodução / Facebook

A Polícia Civil de Navegantes investiga um suposto crime de ódio ocorrido na cidade neste fim de semana. O haitiano Fetiere Sterlin, 33 anos, foi atacado e morto facadas na noite de sábado. Cerca de 10 pessoas teriam participado das agressões. Sterlin chegou a ser socorrido pelo Corpo de Bombeiros Voluntários por volta da 1h30, porém morreu antes de dar entrada no hospital da cidade.

— O boletim de ocorrência foi feito como latrocínio, mas a hipótese mais forte é crime de ódio. Na verdade, teria começado com isso e depois de tornou latrocínio. Já ouvimos algumas testemunhas e no decorrer da investigação vamos apurar a motivação — explica o delegado Rodrigo Coronha.

O haitiano e a mulher, que é brasileira, estavam indo a uma festa no bairro Nossa Senhora das Graças junto com outros quatro amigos, também de nacionalidade haitiana. De acordo com a esposa, Vanessa Nery Pantoja, três homens passaram pelo grupo de bicicleta e começaram a gritar palavrões em crioulo — um deles é ‘macici’, que significa homossexual.

— O meu marido disse apenas ‘macici’ são vocês. Isso foi motivo para eles o jurarem morte. Uns 10 minutos voltaram em umas 10 pessoas e foram pra cima da gente — conta.

Vanessa explica que o grupo, composto por vários adolescentes, retornou com facas, uma pá e outras ferramentas para agredi-los. Segundo ela, os agressores também levaram seu celular, que estava com o marido no momento do crime.

— Quando eu cheguei perto do meu marido ele já estava em uma poça de sangue. Daí alguns populares ligaram para os Bombeiros. Ele morreu na ambulância depois de várias paradas respiratórias — afirma.

Sterlin teve ferimentos no braço, peito, abdômen, rosto e costas, segundo os Bombeiros. Outro haitiano que estava com ele também ficou ferido durante o ataque, porém sem gravidade. Os demais conseguiram correr ou se proteger das agressões.

Logo após o crime, deu entrada no hospital um adolescente de 16 anos ferido no joelho. Segundo a Polícia Militar, ele teria sido atingido durante uma briga no mesmo bairro. O jovem foi encaminhado à delegacia e reconhecido por Vanessa como um dos envolvidos na briga.

A Polícia Civil informou que o adolescente foi ouvido e liberado. Segundo o delegado Coronha, o jovem teria negado as agressões, porém seu depoimento foi contraditório. Os demais envolvidos no crime ainda não foram identificados.

Xenofobia teria motivado crime, diz esposa

Para a esposa Vanessa, o crime foi totalmente xenofóbico. Conforme a mulher, Sterlin não tinha desavenças e sequer conhecia as pessoas que o agrediram. Ela explica que o marido era muito tranquilo e trabalhava como isolador naval em um estaleiro da cidade. Os dois se conheceram há dois anos e desde então estavam morando juntos.

— Ele era muito correto, nunca teve uma discussão. Mas é muito comum eles (haitianos) serem ofendidos na rua, só que nunca chegou a esse ponto. Queremos que essas pessoas sejam presas. A Polícia Civil está nos dando todo apoio necessário — diz.

O diretor da Associação de Haitianos de Navegantes, João Edson Fagundes, disse que uma ocorrência grave como esta nunca foi registrada na cidade, onde cerca de 250 haitianos estão residindo.

— De maneira geral, eles são bem recebidos pelos brasileiros. Nesse caso, tiveram a infelicidade de cruzar com essa gangue. Vamos buscar justiça para que isso não fique impune — garante.

O sepultamento do corpo de Sterlin deve ocorrer em Navegantes, mas ainda não tem data prevista. Como a vítima não era casada oficialmente apenas um parente de primeiro grau pode fazer a liberação do corpo no Instituto Médico Legal.

O SOL DIÁRIO
 Veja também
 
 Comente essa história