Resposta de Cunha a pedido de impeachment deve ser rápida, diz Mendonça Filho Antonio Cruz/Agência Brasil

Partidos de oposição entregaram ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha, novo pedido de impeachment

Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil

Em reunião com alguns líderes da oposição nesta quarta-feira, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), não deu um prazo específico para decidir sobre o novo pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff protocolado pela manhã, mas "colocou de forma muito clara que seria um prazo muito curto". A informação é do líder do DEM, deputado Mendonça Filho (PE), um dos que participaram do encontro. Segundo ele, a expectativa da oposição é de que o processo seja analisado pelo peemedebista até o fim de novembro.

Análise de novo pedido de impeachment será dentro da legalidade, diz Cunha
Senado dá início a processo sobre pedaladas fiscais de Dilma

Além do democrata, participaram da reunião no gabinete de Cunha os líderes do PSDB, Carlos Sampaio (SP), e o líder da minoria, Bruno Araújo (PSDB). De acordo com Mendonça, o encontro serviu para tentar traçar um cronograma para análise do pedido de impeachment pelo presidente da Câmara. A oposição, disse o líder do DEM, argumentou que é preciso um "rápido" processo de deliberação.

O líder do PSDB, por sua vez, se mostrou confiante de que o presidente da Câmara vai deferir o pedido de impeachment de Dilma. Para Carlos Sampaio, Cunha tem "todos os elementos" para autorizar a abertura do processo de afastamento da petista. O tucano avaliou que, enquanto o peemedebista não renunciar ou se licenciar do cargo, possui "legitimidade e prerrogativas" para deferir ou não o pedido.

Disposto a resistir, Cunha avalia caminhos a seguir
Cunha diz que rito de impeachment é semelhante ao do caso Collor

— Defendo afastamento de Cunha, mas existem fatos tão graves ou mais por parte da presidente Dilma — disse.

O tucano também rebateu declaração de Dilma na recente troca de farpas entre ela e Cunha. Nessa terça-feira, na Finlândia, a presidente disse que seu governo não estava envolvido em escândalo de corrupção, como afirmou o peemedebista no dia anterior.

Renan dará 45 dias para Dilma apresentar defesas sobre pedaladas fiscais
Leia as últimas notícias

— As pessoas que estão envolvidas estão presas, e não é a empresa Petrobras que está envolvida no escândalo — sustentou a petista.

— Ela se confundiu. O que ela quis dizer é que, em toda essa corrupção, não tem governo — avaliou Sampaio.

*Estadão Conteúdo

 Veja também
 
 Comente essa história