Rio Itajaí-Mirim alaga bairros e deixa pessoas em abrigo em Brusque Luiz Souza/Agência RBS

O nível do rio Itajaí-Mirim chegou ao pico de 7,72 metros por volta da 3h desta quinta-feira

Foto: Luiz Souza / Agência RBS

O nível do rio Itajaí-Mirim chegou ao pico de 7,72 metros por volta da 3h desta quinta-feira em Brusque. Segundo a Defesa Civil da cidade, com este volume de água, três bairros — Limoeiros, Rio Branco e Guarani — foram atingidos. Pelo menos 14 pessoas estão abrigadas na Arena Multiuso de Brusque.

:: Confira em tempo real as informações sobre o mau tempo em Santa Catarina
:: Previsão é de que nível do rio chegue a 8,30m nesta tarde em Blumenau

A medição das 17h mostrou um cenário positivo, o nível do rio caiu para 7,5 metros, e desde então o nível só diminuiu. Às 19h o nível do Itajaí-Mirim era de 7,26m.

O agente da Defesa Civil Edevilson Paulino Cugik conta que as ocorrências de deslizamentos também aumentaram nesta quinta-feira:

— Ontem (quarta-feira) a cidade havia registrado apenas três deslizamentos, mas hoje pela manhã o número já passa de 20. É importante que as pessoas fiquem atentas e abandonem suas casas em caso de risco. Levem remédios e documentos, mas deixem os imóveis — destaca

A prefeitura de Brusque informa que três Unidades Básicas de Saúde estão fechadas. Os servidores dos postos de atendimento dos bairros Dom Joaquim, Guarani e Nova Brasília estão sendo remanejados para a Unidade Central.As aulas dos períodos matutino e vespertino da rede municipal de ensino foram canceladas, assim como as aulas da rede estadual de ensino.

As equipes da Secretaria de Obras já se encontram em regime de plantão. Os servidores de tubulação e tapa-buraco atendem os pontos mais críticos e emergenciais.

Arena Brusque recebe desabrigados
A costureira Maria Suzana Alecrim, 39 anos, chegou na madrugada desta quinta-feira no abrigo localizado na Arena Brusque. O nível do rio Itajaí-Mirim subiu tão rápido que precisou de auxílio da Defesa Civil e Exército para remover rapidamente sua mobília. No momento o acesso à residência está bloqueado por causa da água.

Apesar da mobilização conjunta para remover os móveis de sua residência, conta que parte da mobília, como cama e guarda-roupa ficaram para trás. A mulher mora há dois anos na rua RB - 010, no bairro Rio Branco, e é a primeira enchente que enfrenta. Saiu às pressas com três filhos pequenos e uma adolescente.

– A sensação de desespero é grande e não dá para explicar. A água subiu em uma velocidade absurda – conta a mulher.

Atenção
A Defesa Civil de Brusque ressalta que os telefones de emergência do órgão, do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar são exclusivos para a informação de ocorrências e não devem ser utilizados para tirar dúvidas. É possível acompanhar a situação da cheia através do Facebook da Defesa Civil e também no site, onde podem ser consultadas as cotas de cada região.

JORNAL DE SANTA CATARINA
 Veja também
 
 Comente essa história