Em um ato carregado de referências a Perón, Evita, Néstor e Cristina Kirchner, o candidato governista Daniel Scioli, da aliança Unidos por la Victória, encerrou na noite desta quinta-feira sua campanha eleitoral. Transformado em QG kirchnerista, o legendário Luna Park, centro de eventos famoso por sediar lutas de boxe históricas, recebeu centenas de militantes de várias regiões da província de Buenos Aires.

Em um palco à frente de telões de LED que alternavam imagens do político com cenas de cidadãos argentinos exercendo diferentes profissões, Scioli prometeu dar continuidade ao “desenvolvimento” iniciado pela presidente Cristina, a quem agradeceu.

— Em 10 de dezembro, ela deixará um país ordenado, sem dívidas e com paz social — afirmou.

Os rumores que marcam a reta final da eleição argentina

Em uma das disputas mais acirradas desde a eleição de 2003, o governador da província de Buenos Aires optou por um discurso de conciliação. Em nenhum momento citou os adversários do domingo. Em uma fala de cerca de 20 minutos, ele prometeu:

— Vou dar minha alma para alcançar um futuro melhor, com meu estilo e tenacidade e com a minha escola de vida, que é o esporte.

Economista Batakis será ministra da Economia se Scioli for eleito
Opositor Macri apoia protesto do campo na Argentina

Para dar um caráter de defesa dos trabalhadores, a organização do evento convidou representantes de diferentes profissões, entre metalúrgicos, médicos, cozinheiros, como plateia para o candidato. Scioli também estava ao lado de governadores peronistas no palco.

Acompanhe o blog Rodrigo Lopes direto da Argentina

Cristina Kirchner não compareceu ao evento, mas foi lembrada pelo cantor Ricardo Montaner, autor do tema da campanha de Scioli.

— Um aplauso para Cristina — pediu o músico, atendido de pé pelos militantes.

A plateia, como se estivesse em uma partida de futebol, não parou de gritar e de bater em tambores, até mesmo enquanto os políticos discursavam. A partir da sexta-feira, a Argentina entra no período chamado “veda eleitoral”, quando estão proibidas as propagandas políticas.


ZERO HORA
 Veja também
 
 Comente essa história