STF determina bloqueio e sequestro de recursos em contas de Cunha na Suíça Alex Ferreira/Agência Câmara

Eduardo Cunha

Foto: Alex Ferreira / Agência Câmara

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki determinou o bloqueio e o sequestro dos recursos mantidos pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), em contas na Suíça - no total de 2,4 milhões de francos suíços ou R$ 9,6 milhões. A decisão atende a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR). Os procuradores temiam que, com a transferência da investigação para o Brasil, o dinheiro fosse desbloqueado e pudesse ser movimentado.

"Não sou comentarista de delação", afirma Cunha sobre revelações

Com o sequestro, os recursos serão depositados numa conta judicial e ficarão indisponíveis até o fim do processo. O pedido de novo bloqueio dos recursos foi apresentado pela PGR na sexta-feira passada. São duas contas, uma em nome de Cunha e outra da mulher do deputado, Cláudia Cordeiro Cruz, no banco Julius Baer.

"Vamos continuar diálogo institucional", diz Berzoini sobre Cunha

"Há a possibilidade concreta de que ocorra o desbloqueio das contas, com a consequente dissipação dos valores depositados nas contas bancárias estrangeiras", disse o órgão no pedido.

Resposta de Cunha a pedido de impeachment deve ser rápida

O processo foi transferido para a PGR por autoridades suíças já que o presidente da Câmara é brasileiro, está no país e não poderia ser extraditado para a Suíça. No pedido, o procurador-geral da República em exercício, Eugênio Aragão, diz que não há dúvidas em relação à titularidade das contas.

"Há cópias de passaportes - inclusive diplomáticos - do casal, endereço residencial, números de telefones do Congresso Nacional e do Palácio do Planalto", disse Aragão.

O patrimônio estimado de Cunha, à época da abertura da conta, era de aproximadamente US$ 16 milhões.

* Agência Estado

 Veja também
 
 Comente essa história