Temer diz que votação de vetos presidenciais ficará para novembro José Cruz/ABR

Foto: José Cruz / ABR

O vice-presidente Michel Temer disse nesta quarta que a votação dos vetos presidenciais ficará para novembro. Segundo Temer, a questão foi discutida no almoço desta quarta-feira, no Palácio do Jaburu, residência oficial da Vice-Presidência, do qual participou o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Na semana passada, por duas vezes consecutivas, o governo tentou, sem sucesso, conseguir quórum para analisar vetos de Dilma a projetos que aumentam os gastos públicos.

— Chegamos à conclusão de que se deve deixar [a votação dos vetos] para o mês que vem — disse o vice-presidente.

Marco Aurélio defende liminares do STF que suspenderam rito de impeachment
Cunha diz que vai recorrer ao STF para manter manobra
 
Temer disse que, nessa conversa, ficou decidido que o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ),"ajudará a agilizar" a votação de projetos importantes para o governo, como a proposta para Desvinculação das Receitas da União (DRU) até 2023.

— A base está sendo organizada — afirmou.
 
Em conversa com jornalistas ao entrar em seu gabinete, no Palácio do Planalto, perguntado sobre o que achava das recentes notícias sobre a possibilidade de assumir o Ministério da Justiça, Temer respondeu:

— Eu vou ficar vice-presidente.

Para Dilma, consequências da crise podem ser usadas a favor do país
Dilma defende uso de tributos para financiar Minha Casa Minha Vida
 
O vice-presidente disse ainda que não conversou com o presidente da Câmara sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal de suspender o rito adotado por Cunha para eventual abertura de processos de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff.

— Decisão do Supremo se cumpre — limitou-se a dizer Temer, após se encontrar com Cunha.

*Agência Brasil

 Veja também
 
 Comente essa história