Três Barras é a cidade mais atingida pela chuva no Planalto Norte de SC Defesa Civil de Três Barras/Divulgação

Bairro São Cristóvão, em Três Barras, é o mais atingido pela chuva

Foto: Defesa Civil de Três Barras / Divulgação

As equipes da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros estão em alerta nas cidades do Planalto Norte por causa da chuva que iniciou na madrugada desta quinta-feira. A situação mais crítica é no município de Três Barras, por onde passa o Rio Canoinhas. Na noite desta quinta-feira, seis famílias que estavam em situação de risco precisaram deixar as suas casas.

Ao Vivo: Confira a situação das chuvas em Joinville e região

Como o nível do rio está acima do limite desde a semana passada, o município já contabiliza 60 famílias desabrigadas e 52 desalojadas. Na manhã desta quinta, o nível do rio estava em 6m e 82cm - cerca de 20 centímetros acima do limite. Pelo menos 30% do bairro São Cristóvão foi tomado pelas águas que chegam a 1m e 30 cm de altura.

Em Canoinhas, o rio já atingiu o nível de 7m e 9cm. A cidade já registrou vários pontos de alagamento. Até agora, duas famílias foram retiradas de casa no bairro Campo de Água Verde. A Defesa Civil está em alerta e monitorando o nível do rio.


Rio Canoinhas / Foto: Defesa Civil de Canoinhas

Nas outras cidades, os prejuízos são menores. Em Mafra, o Rio Negro alcançou o nível de 4m e 13cm. Segundo a Defesa Civil, choveu granizo durante a madrugada e foram registrados alguns pontos de alagamento.

Em Rio Negrinho, o rio de mesmo nome está um pouco acima do normal, com 1m e 7cm. Em São Bento do Sul, a Defesa Civil registrou alguns pontos de alagamento e duas ocorrências de quedas de árvore. Uma delas caiu sobre uma casa e outra bloqueou uma pista. Ninguém ficou ferido.

Em Papanduva, não houve nenhum alagamento por causa da chuva desta quinta-feira. Mas, o município ainda está fazendo o levantamento de prejuízos que ocorreram em função da enchurrada e da chuva de granizo que atingiram a cidade na semana passada.

A NOTÍCIA
 Veja também
 
 Comente essa história