Veja como fica a distribuição de partidos nos ministérios Antonio Cruz/ Agência Brasil/

Partido do vice Michel Temer (à esquerda) ganhou força com a reforma

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Anunciada nesta sexta-feira, reforma administrativa promovida por Dilma Rousseff resultou no corte de oito ministérios e de 3 mil cargos comissionados, além da redução em 10% do salário da própria presidente, do vice Michel Temer e dos ministros. A nova radiografia do primeiro escalão federal baixou de 39 para 31 pastas e ampliou a força do PMDB e do ex-presidente Lula.

Conheça os novos ministros de Dilma

A nova configuração levou em conta a influência política dos novos ministros no Congresso Nacional, para fortalecer o governo na aprovação de medidas como as do ajuste fiscal.

Veja como ficou a representação dos partidos no novo quadro de ministros:

No novo desenho da equipe, o PMDB teve ampliado de seis para sete o número de pastas. O partido passa a comandar o Ministério da Saúde, com o deputado Marcelo Castro (PI), e o da Ciência, Tecnologia e Inovação, com Celso Pansera (RJ).

Helder Barbalho deixa o Ministério da Pesca e Aquicultura - que será incorporado pelo o da Agricultura - e vai para a Secretaria de Portos. O partido mantém o comando das pastas Minas e Energia (Eduardo Braga), Agricultura (Kátia Abreu), Turismo (Henrique Eduardo Alves) e Aviação Civil (Eliseu Padilha).

Rosane de Oliveira: "Reforma é um caso de acomodação"

Na reforma, ministérios liderados pelo PT mudaram de comando. O ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, deixa o cargo e retorna ao Ministério da Educação. Jaques Wagner, atual ministro da Defesa, assume a Casa Civil.

Os ministérios do Trabalho e da Previdência viraram um só, que será comandado pelo petista Miguel Rossetto. Ele deixa a Secretaria-Geral da Presidência. O partido mantém o comando dos ministérios da Justiça (José Eduardo Cardozo), do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (Tereza Campello), do Desenvolvimento Agrário (Patrus Ananias), da Cultura (Juca Ferreira) e a Secretaria de Comunicação Social (Edinho Silva).

Rossetto começa nesta sexta a discutir composição do seu novo ministério

A Secretaria-Geral da Presidência foi extinta e em seu lugar foi criada a Secretaria de Governo, sob o comando do PT. O novo órgão vai reunir as secretarias de Relações Institucionais e da Micro e Pequena Empresa e será comandado por Ricardo Berzoini, que deixa o Ministério das Comunicações.

A Secretaria de Micro e Pequena Empresa que era comandada por Guilherme Afif Domingos (PSD), perdeu o status de ministério. O PSD continua com o Ministério das Cidades, chefiado por Gilberto Kassab.

VÍDEO: "Crise política agrava a crise econômica", diz Padilha

O PC do B continua com um ministério: o da Defesa, sob o comendo Aldo Rebelo, que deixa o da Ciência e Tecnologia. O PDT perdeu o Ministério do Trabalho e fica com o Ministério das Comunicações, sob o comando do líder do partido na Câmara, André Figueiredo.

O PTB, o PRB, o PP e o PR continuam cada um com uma pasta: Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Armando Monteiro); Esporte (George Hilton); Integração Nacional (Gilberto Occhi) e Transportes (Antonio Carlos Rodrigues), respectivamente.

Leia todas as notícias do dia

Oito pastas são comandadas por ministros sem filiação partidária: Luís Inácio Adams (Advocacia-Geral da União), Alexandre Tombini (Banco Central), Waldir Simão (Controladoria-Geral da União), Joaquim Levy (Fazenda), Nelson Barbosa (Planejamento, Orçamento e Gestão), Izabella Teixeira (Meio Ambiente), Mauro Vieira (Relações Exteriores) e Nilma Lino Gomes (Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos).

Desde a semana passada, a presidenta se reuniu diversas vezes com ministros da articulação política do governo, com o vice-presidente Michel Temer, que também é presidente do PMDB, e lideranças do partido e de outras legendas em busca do melhor desenho para a nova equipe. Também teve reuniões com o ex-presidente Lula, que participou das discussões sobre a formação da nova equipe.

 Veja também
 
 Comente essa história