Vereador Oldemar Becker pede para sair do PPS e fica sem partido em Blumenau Divulgação/Divulgação

Vereador foi eleito em 2012 com 1.990 votos

Foto: Divulgação / Divulgação

O vereador Oldemar Becker está oficialmente sem partido. Ele pediu desligamento do PPS no fim de setembro após ser expulso e retornar à agremiação por determinação da Justiça. A novela entre ele e o partido acontece há pelo menos seis meses, quando dirigentes da sigla decidiram expulsá-lo alegando infidelidade partidária.

Becker foi convidado pelo diretório estadual a pedir o desligamento do partido. O que, nas palavras do vereador, foi perseguição. De acordo com o presidente do PPS, Cláudio de Oliveira, caso o vereador não solicitasse a saída, o partido insistiria no objetivo de expulsá-lo. O parlamentar é acusado de ter agido contra a determinação da sigla na votação do Plano Plurianual, em setembro de 2013.

No entanto, o partido garante que não irá ingressar na Justiça solicitando a cassação do mandato do parlamentar:

– O mandato é da coligação, mas sua cassação depende de decisão judicial. Não justifica termos um desgaste agora pois o Judiciário é moroso e o processo demoraria anos – avalia o presidente.

Por outro lado, Becker afirma que foi perseguido politicamente e coagido a deixar o partido. No entanto, afirma que sua decisão em sair da sigla não afeta o trabalho como parlamentar:

– Isso me fortalece ainda mais como vereador. Fui eleito pelo povo e tenho que trabalhar para ele. Já fui procurado por vários partidos e estou analisando bem para não me arrepender depois.

O presidente da Câmara de Vereadores, Mário Hildebrandt (PSB) garante que a Mesa Diretora já foi informada do desligamento partidário e encaminhou a documentação para análise da Procuradoria Jurídica e Diretoria Legislativa do parlamento municipal. A partir de agora, enquanto não se filiar a um novo partido, Becker tem direito a apenas quatro minutos de tribuna na Câmara e não pode participar de nenhum bloco parlamentar.

Vereador precisou voltar ao partido que o expusou
No fim de maio a 1ª Vara da Fazenda da Justiça de Blumenau concedeu uma liminar reintegrando o vereador ao PPS. A decisão afirmou que o parlamentar não foi notificado para apresentar defesa conforme o Código de Ética do partido. O juiz concluiu que o documento não apresentava prazo para defesa e não advertia sobre as possíveis penalidades. Após o vereador solicitar a saída do partido, a diretoria solicitou na Justiça a extinção do processo de expulsão.

JORNAL DE SANTA CATARINA
 Veja também
 
 Comente essa história