Indígenas fazem protesto no local da morte de Vitor em Imbituba Felipe Carneiro/Agência RBS

Manifestantes amarraram fitas vermelhas ao pescoço para lembrar o ferimento que levou à morte da criança

Foto: Felipe Carneiro / Agência RBS

Em torno de 100 pessoas se reuniram nesta quarta-feira, 6, em Imbituba, embaixo da árvore onde há uma semana o menino Vitor Pinto, dois anos, foi assassinado enquanto era amamentado no colo da mãe. Com pedaços de pano vermelhos amarrados no pescoço, o grupo usou faixas e cartazes e jogou tinta sobre o cimento da calçada da rodoviária do município, para lembrar o sangue do garoto derramado no local.

Índios pedem justiça no enterro de menino morto em Imbituba  

As fitas vermelhas no pescoço são uma referência ao golpe desferido pelo assassino com um estilete ao degolar a criança sem motivo algum. Também foram colocadas velas brancas no local. Um padre da Igreja Católica conduziu o ato, que foi seguido de algumas falas dos participantes.

— Nos últimos tempos, têm ficado muito embrutecida a relação com os indígenas, com várias várias ameaças e diferentes formas de violência — disse a cacique Eunice Antunes, da aldeia do Morro dos Cavalos.

Mãe relata momentos antes do assassinato do filho indígena  

Indígenas são de uma etnia diferente da família de Vitor, mas fizeram o ato em solidariedade ao grupo caingangue Foto: Felipe Carneiro / Agência RBS

Maior parte dos manifestantes são Guaranis da Aldeia do Morro dos Cavalos, mas outras pessoas da cidade se juntaram ao protesto. À 1h30 da tarde, também nesta quarta-feira, ocorrerá outra manifestação dos caingangues, a etnia da família de Vitor, no centro da cidade de Chapecó. Será feito um ato em homenagem ao menino e em protesto à violência contra os indígenas.

Opinião:  O indiozinho Vitor, mais uma vítima da maldade humana

Depois da cacique falou Marina de Oliveira, do Conselho Indigenista missionário. Ela fez um convite para que o protesto seguisse até a frente da delegacia de polícia Civil de Imbituba. Por volta das 13h, os indígenas seguiam concentrados em frente ao local.

Eles exigem que a polícia consiga dar uma resposta sobre o que levou o jovem a assassinar a criança. O suspeito do crime, de 23 anos, teria confessado ser o autor do assassinato, mas não revelou o que o teria levado a praticar o ato. Ele está preso desde a tarde do dia primeiro.  

Grupo se reúne em frente à delegacia da Polícia Civil de Imbituba para cobrar explicações sobre o motivo do crime Foto: Felipe Carneiro / Agência RBS

Mais sobre o caso:

Vitor: O menino que virou formiga

Polícia prende novo suspeito de assassinato de criança indígena em Imbituba


ÂNGELA BASTOS
 Veja também
 
 Comente essa história