Prometida desde 2011, a ampliação da Via Expressa, na BR-282, em Florianópolis, deve ser discutida entre prefeitos da região metropolitana e Departamento Nacional de Infraestrutura (Dnit/SC) nesta sexta-feira. A meta é readequar o projeto para a realização da primeira etapa. Na semana passada o Ministério dos Transportes prometeu licitar parte da obra, com a liberação de R$ 100 milhões, do total de R$ 500 milhões que está orçado a ampliação dos  5,6 quilômetros de extensão da via. Prefeitos cobram do ministro o prazo de 10 dias que Antônio Carlos Rodrigues teria dado para lançar o edital, prazo que vence nesta sexta. Em nota, o Dnit nega a informação:  "não foram estipulados prazos para a realização da licitação".

– Ou eu estou louco e mais de trinta pessoas sofreram de alucinação coletiva, ou ele garantiu sim. Vou ver se o Ministério vai voltar atrás dessa informação. Eu inclusive perguntei quando vão abrir e ele disse: dentro de 10 dias. Falou isso textualmente. Ministro foi enfático – disse o prefeito de Florianópolis, Cesar Souza (PSD), presente na reunião da semana passada.

Governo Federal promete licitação da Via Expressa em 10 dias
DNIT diz que licitação da Via Expressa não tem data para sair
Estado busca recursos para implantar o sistema de transporte BRT em SC

A expectativa unânime entre os prefeitos da cidade de Florianópolis, São José, Biguaçu e Palhoça é discutir o andamento de toda a obra e a implantação exclusiva de uma faixa para o transporte coletivo. No governo do Estado, conforme a manifestação do secretario do Planejamento, Murilo Flores, o discurso vai na mesma linha.

– É o mesmo conceito que queremos na Via Expressa. O Dnit já acatou nossa proposta. O BRT é um transporte rápido, que vai sair do shopping Itaguaçu e chegar ao Ticen em 15 minutos, em horário de pico – disse Flores.

O deputado federal Espiridião Amin (PP), que participou da última reunião com o ministro dos Transportes em Brasília, explica que o projeto de ampliação da Via Expressa compreende a construção de mais duas pistas, cada uma com duas faixas. Atualmente a rodovia tem duas pistas, com três faixas e o canteiro central e cada uma com acostamento.

– Negociamos com o ministro, do projeto maior, orçado em R$ 500 milhões. Ele liberou  R$ 100 milhões, dos quais quase a maior parte são desapropriações. De acordo com o projeto total, seriam três faixas em cada um dos sentidos, mais um acostamento. A ideia é na primeira etapa acrescentar uma terceira faixa em toda a extensão e um acostamento em quase toda extensão. Nesse ganho de uma faixa tem que entrar os projetos que a prefeitura de Florianópolis e a superintendência da região metropolitana estão contemplando no Plamus, o plano de mobilidade – explica Amin.

Segundo o deputado, o encaminhamento dado pelo Dnit/SC  junto ao Plamus já foi feito e a ideia é fazer uma pista própria para o transporte coletivo. Conforme o Dnit, ainda estão sendo feitos estudos junto aos prefeitos e governos de Estado para a melhor readequação do projeto, para então o lançamento do edital, ainda sem data para ocorrer.

Confira abaixo o posicionamento dos prefeitos da região:

Cesar Souza (PSD) - prefeito de Florianópolis

"Nossa energia tem sido política para ver se de fato o ministro cumpre a palavra, cumprindo a gente vai conversar sobre o assunto. Inclusive essa questão da faixa exclusiva para ônibus já foi algo colocado pela prefeitura em outro momento. Na verdade esperamos pela abertura do edital para que as prefeituras de São José, Florianópolis, Palhoça e Biguaçu e o Dnit possam se dedicar a discutir este projeto".

Adeliana Dal Pont (PSD) - prefeita de São José

"Primeiro ele disse que não tinha dinheiro, mas por causa da nossa intervenção, mostrando a dificuldade do trecho,  ele autorizou licitar parte do projeto. A Via Expressa é um problema porque corta o quadrante do município. O que queremos entender é qual parte vai ser lançada por conta do acesso a São José. Vai aumentar as pistas e os viadutos, como vão fazer para o município acessar a Via Expressa?  Temos que trabalhar visando toda a região metropolitana e pra isso priorizar o transporte público.  O que interessa é o Dnit empenhado em executar, se eles forem demorar 10 ou 20 dias, pouco importa no montante dessa obra. Importa é fazer um bom edital para uma boa execução da obra.  Agora prazo eles têm que ter e vou saber isso amanhã".

Camilo Martins (PSD) - prefeito de Palhoça

"Levei a questão do BRT como também a finalização da terceira pista, sul -norte, além da necessidade de outras aberturas de entrada e saída. Este caos que está transformando as filas na Via Expressa faz com que motoristas entrem em Palhoça e gerem um congestionamento. A faixa que vai ser aberta tem que ser exclusiva para ônibus, para priorizar o transporte público. O ministro disse que em 15 dias colocaria o edital na rua, ficamos muito contentes mas vamos cobrar, isso é prazo. Estávamos todos lá e ele falou junto com o superintendente do Dnit em Santa Catarina, Vissilar Pretto".
 
Ramon Wollinger (PSDB) - prefeito de Biguaçu

"Ele confirmou a licitação do projeto de R$ 100 milhões com previsão de início em 10 dias. Alguma coisa tem que ser feita, se não dá pra pensar num projeto maior que fizesse algo para amenizar como o corredor exclusivo para ônibus. Biguaçu também sofre muito com essa questão, motoristas que saem de Biguaçu para ir a Florianópolis, preferem ir pelos bairros de Barreiros e Estreito do que pela Via Expressa, que se torna mais rápido". 

Deputado Federal Esperidião Amin (PP)

"Estou esperançoso com as diligências que o Dnit está tomando, não para lançar o edital em 10 dias, mas para preencher as condições técnicas e de mobilidade urbana necessárias para esta intervenção, que é para parte do projeto que prevê seis faixas".

 DC Recomenda
 
 Comente essa história