<p>Essencial para minimizar os efeitos das cheias em <strong>Itaja&iacute;</strong>, as <a href="http://osoldiario.clicrbs.com.br/sc/noticia/2016/01/obras-do-canal-extravasor-da-murta-comecam-em-fevereiro-em-itajai-4962396.html" target="_blank">obras<strong> do canal extravasor do</strong> <strong>ribeir&atilde;o da Murta</strong> <strong>est&atilde;o paradas h&aacute; 40 </strong></a><strong>dias</strong>. O motivo &eacute; a falta de autoriza&ccedil;&atilde;o para que o canal passe pelo estacionamento do <strong>Terminal Portu&aacute;rio de Itaja&iacute; (Teporti)</strong> e chegue at&eacute; o <strong>rio Itaja&iacute;-A&ccedil;u</strong>. Para contornar o problema, a prefeitura iniciou o processo para desapropriar a &aacute;rea, considerada de preserva&ccedil;&atilde;o ambiental.<br><br>As obras come&ccedil;aram em fevereiro e tinham <strong>prazo de conclus&atilde;o de 180 dias</strong>. O <strong>secret&aacute;rio de Obras de Itaja&iacute;,</strong> <strong>Tarc&iacute;zio Zanelatto</strong>, afirma que o munic&iacute;pio conversou com representantes do Teporti, que autorizaram verbalmente a empreitada. Por&eacute;m, quando a constru&ccedil;&atilde;o chegou ao estacionamento, os seguran&ccedil;as do terminal impediram a continuidade e a <strong>Pol&iacute;cia Militar</strong> chegou a ser acionada.<br><br>-&nbsp;Depois de passar por todo o processo burocr&aacute;tico, licitamos a obra e conversamos com a empresa, que liberou os trabalhos. S&oacute; que na hora em que &iacute;amos come&ccedil;ar a passar o canal eles n&atilde;o permitiram e tivemos que paralisar. <strong>Entramos com um pedido de desapropria&ccedil;&atilde;o</strong> e agora o processo est&aacute; na procuradoria do munic&iacute;pio&nbsp;- explica.<br><br>De acordo com Zanelatto, a prefeitura n&atilde;o entendeu a negativa do terminal. O canal n&atilde;o afetaria o estacionamento, pois &eacute; constru&iacute;do com galerias. O secret&aacute;rio diz ainda que quando foi feita a ciclovia na <strong>Avenida Reinaldo Schmithausen</strong> ocorreu o mesmo problema e o terreno do Teporti precisou ser desapropriado.<br><br>Caso a empresa n&atilde;o aceite o valor proposto pela prefeitura, a a&ccedil;&atilde;o deve parar na Justi&ccedil;a e a&iacute; n&atilde;o h&aacute; previs&atilde;o de quando as obras ser&atilde;o retomadas.<br><br><strong>O canal extravasor foi projetado com</strong> <strong>216 metros de comprimento, cinco metros de largura e 1,5 metros de altura</strong> para ligar o ribeir&atilde;o da Murta ao rio Itaja&iacute;-A&ccedil;u, passando pela Rua Tiradentes. Assim, quando ocorrer uma enxurrada, as &aacute;guas poder&atilde;o escoar mais rapidamente. A reportagem entrou em contato por telefone com um representante do Teporti ontem, Fernando D&#146;Avilla, mas ele n&atilde;o atendeu &agrave;s liga&ccedil;&otilde;es.<br><br>&nbsp;<br></p><div class="materia-foto"><img src="http://www.clicrbs.com.br/imagesrc/17909559.jpg?w=640" title="" alt=""/><div class="legenda"><span></span><span class="credito">Foto: </span></div></div><!-- contentFrom:cms -->
 Veja também
 
 Comente essa história