Mercado Livre compra startup catarinense Axado por R$ 26 milhões divulgação/divulgação

Leandro Bassoi (E), diretor do Mercado Envios, Guilherme Reitz, fundador da Axado, e Helisson Lemos, presidente do Mercado Livre Brasil (D)

Foto: divulgação / divulgação

Em uma transação de R$ 26 milhões, o gigante do e-commerce na América Latina Mercado Livre anunciou a aquisição da startup catarinenseAxado. A negociação, que durou cerca de seis meses, foi revelada ao mercado em Florianópolis nesta segunda-feira, em uma coletiva para a imprensa. De acordo com a companhia, o objetivo da compra é fortalecer as soluções de logística para os clientes, concentrada na divisão Mercado Envios.

Social Good Brasil LAB começa nesta semana com projeto criativos e inovadores para sociedade
Com a ajuda de novas tecnologias, jogos se tornam aliados no tratamento de diversas doenças

— Identificamos uma oportunidade e decidimos fazer o investimento. Não é um volume de recursos baixo para o setor detecnologia, mas acreditamos que, apesar de um cenário macroeconômico e político complicado, o país vai voltar a crescer. Com tecnologia, se constrói soluções de valor — afirmou Helisson Lemos, presidente do Mercado Livre Brasil.

Em abril do ano passado, o Mercado Livre adquiriu a empresa KPL Soluções, provedora de ferramentas de gestão para o e-commerce por R$ 50 milhões. O negócio com a catarinense Axado está entre os maiores realizados pela multinacional nos últimos anos.

Alunas catarinenses participam de competição mundial de tecnologia

Segundo Guilherme Reitz, um dos sócios-fundadores da Axado, a proposta convergiu com os planos da catarinense para os próximos passos de crescimento:

— O empreendedor sempre sabe que, em algum momento, pode surgir uma oferta. Durante os dois anos que o Mercado Livre foi nosso cliente, tivemos uma relação de grande afinidade. Com a venda, vamos ganhar a oportunidade de crescer na América Latina — disse Reitz.

A Axado mantém um escritório-sede em Florianópolis. De acordo com o Mercado Livre, o objetivo é manter a operação na cidade. Com isso, os sócios seguem na gestão – além de Reitz, Leandro Baptista, Michel Kommers e Eduardo Franceschett atuam no negócio.

— Temos um polo importante de tecnologia em Florianópolis. A chegada da Axado ao Mercado Livre também irá fortalecer nosso time de tecnologia e desenvolvimento — avaliou Leandro Bassoi, diretor do Mercado Envios.

Necessidade foi estímulo para empreendedores começarem

Antes de dar início à Axado, Guilherme Reitz e Leandro Baptista foram sócios em uma empresa de máquinas e equipamentos, também em Florianópolis. A necessidade de buscar as melhores soluções para enviar mercadorias para os clientes de todo o Brasil foi o ponto de partida para a dupla iniciar o plano de negócios da startup. 

— Além dos problemas de infraestrutura, havia uma grande dificuldade no país de calcular para o lojista a forma precisa o frete final de um produto. Pensamos um produto para solucionar essa questão — conta Reitz.

Foco Econômico: desafios e oportunidades para tecnologia em 2016

A partir do cálculo em 500 transportadoras do país – baseado em planilhas de pedidos similares – o programa desenvolvido pela Axado é capaz de comparar diferentes opções de frete para o consumidor online. A empresa tem em sua base de clientes grandes marcas do varejo nacional, como Decathlon, Arezzo e Casas Bahia. Atualmente, a plataforma está integrada a mais de 2,5 mil lojas virtuais e 580 transportadoras que compõem a carteira online.

De acordo com Helisson Lemos, presidente do Mercado Livre Brasil, a solução desenvolvida pela Axado facilita o cálculo do frete e melhora a experiência de consumo online. Com isso, consequentemente, o número de conversão de vendas no ambiente do e-commerce cresce. 

A Axado já havia recebido rodadas de investimento no passado. No começo, em 2011, teve apoio de um investidor-anjo da Jacard Investimentos. Em março de 2012, a startup recebeu aporte do fundo de venture capital da FIR Capital/BZ Plan. Com a venda, todas as cotas passaram para o controle do Mercado Livre.

Leia as últimas notícias do Diário Catarinense

 DC Recomenda
 
 Comente essa história