Ex-PM que matou o surfista Ricardinho é condenado a 22 anos de prisão Leo Munhoz/Agencia RBS

Avô do Ricardinho, Nicolau dos Santos comemora sentença de 22 anos de prisão

Foto: Leo Munhoz / Agencia RBS

A sequência de tiros disparados pelo ex- policial militar Luis Paulo Mota Brentano contra o surfista Ricardinho em janeiro de 2015, na Guarda do Embaú, foi entendida pelo júri desta sexta-feira como uma ação em que havia intenção de matá-lo. Por maioria de votos, Mota foi condenado a 22 anos de prisão em regime fechado. Ele já estava detido no 8° Batalhão da PM em Joinville desde o início do processo e, por decisão da juíza, agora deverá ser transferido num prazo de cinco dias para uma prisão comum. Mota também foi condenado a oito meses de detenção, em regime semiaberto, por crime de trânsito (ele dirigia sob efeito de álcool no dia dos fatos) e à perda do direito de dirigir por cinco meses.

A sentença, anunciada às 21h10 pela juíza Carolina Ranzolin Fretta, no Fórum de Palhoça, correspondente à convicção da acusação: na avaliação do promotor Alexandre Carrinho Muniz, o ex-PM fez os três disparos e atingiu Ricardinho por duas vezes - uma delas pelas costas - sem que houvesse ameaça real naquele momento, agindo por motivo fútil, sem permitir a defesa da vítima e colocando em risco a vida de outras pessoas no mesmo local.

Por se tratar de uma decisão em primeira instância, há possibilidade de recurso por parte da defesa. A alegação do réu é de que os tiros foram disparados porque o surfista o teria ameaçado com um facão após desentendimentos.

Segundo a votação dos jurados, no entanto, não houve legítima defesa por parte do acusado. 

A leitura da sentença encerra o segundo dia de julgamento e conclui um dos júris mais esperados do ano em Santa Catarina. Nos dois dias, as sessões tiveram início às 9 horas. Na quinta-feira, a tomada de depoimentos das testemunhas seguiu até 23h20.

Relembre o caso

O crime ocorreu no dia 19 de janeiro de 2015. Segundo a denúncia do Ministério Público (MP), o então policial militar Luis Paulo Mota Brentano estava na Guarda do Embaú, em Palhoça, passando férias com o irmão de 17 anos. No dia anterior, afirma o MP, os dois teriam ingerido bebidas alcoólicas de maneira excessiva até a manhã seguinte.

Por volta de 8h, Mota teria dirigido o próprio carro embriagado até a entrada de uma residência, exatamente onde seria feita por Ricardinho uma obra de encanamento. Depois disso, relata a denúncia, o surfista e o avô, Nicolau dos Santos, teriam pedido ao policial que retirasse o veículo do local, mas Mota se negou e chegou a afrontá-los.

Do interior do veículo, explica a denúncia feita pelo Ministério Público de Santa Catarina, o policial teria atirado três vezes contra Ricardinho, sendo que duas balas atingiram o surfista. Leandro Nunes, advogado de defesa do acusado, afirma que Mota reagiu em legítima defesa, "diante de ataque de Ricardo dos Santos".

Leia mais:

Acusação abre debates do júri do ex-PM e pede condenação máxima ao réu

Júri de ex-PM é retomado com debates entre defesa e acusação

"Temi pela minha vida e atirei", diz ex-PM em júri popular

Júri em Palhoça terá sequência nesta sexta com interrogatório de ex-PM

Emocionada, mãe de Ricardinho presta depoimento no júri de ex-PM

"Só quero que a verdade apareça", diz mãe de ex-PM levado a júri

 Veja também
 
 Comente essa história