Mais uma vez, o maior Produto Interno Bruto (PIB) municipal em Santa Catrina foi de Joinville. Os dados de 2014, divulgados nesta quarta-feira pelo IBGE, mostram que a cidade do Norte do Estado gerou R$ 24,5 bilhões naquele ano, 11% de crescimento em relação a 2013. A cifra é 41% maior que o PIB da Capital, a segunda colocada com R$17,3 bilhões. 

Pela forma antiga de cálculo do IBGE, Itajaí chegou a superar a cidade do Norte em 2013. Mas, pela nova metodologia, Joinville lidera a geração de riqueza em SC em toda a série histórica (de 2002 a 2014). Itajaí chega a ficar acima da Capital em 2013.  Florianópolis é a única capital do país que não detém o maior PIB em seu Estado. 

Em 2014, Itajaí aparece como terceira colocada, com valor pouco inferior ao de Florianópolis, R$17,1 bilhões. A seguir vêm Blumenau (R$16,7 bilhões) que, entre as maiores cidades do Estado, apresentou o maior aumento do seu PIB em relação a 2013, 28% de incremento.

Juntas, as cinco cidades mais ricas do Estado - Joinville, Florianópolis, Itajaí, Blumenau e São José - representaram 34,5% do PIB estadual em 2014 (que foi de R$242,6 bilhões). 

Na análise por atividade, os serviços representam a principal fonte de riqueza em 99 municípios, seguidos pela indústria, fonte mais importante em 82 municípios do Estado, e pela agropecuária (52 municípios). 

Leia também: SC foi segundo Estado que mais aumentou participação no PIB nacional entre 2002 e 2014

Sete cidades representam 25% do PIB brasileiro

Entre 2010 e 2014, houve uma leve desconcentração na riqueza gerada no país. No último ano, 62 municípios respondiam por metade do PIB nacional, enquanto em 2010 eram 52. Sete cidades - São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Curitiba, Manaus e Porto Alegre - eram responsáveis por 25% em 2014 (em 2010, eram seis). São Paulo segue com a maior participação na riqueza brasileira (10,9%), embora tenha perdido espaço nos últimos anos - em 2010, esse valor era de 11,6%.

Apesar de ter tido crescimento de cerca de 15% no seu PIB, a capital catarinense perdeu posição, mais um vez, entre as capitais no que diz respeito à participação dessas cidades no PIB brasileiro. Em 2010 e 2011, Florianópolis era a 19ª neste ranking, nos dois anos seguintes passou a ser a 20ª e, em 2014, era a 21ª. Ao longo desses anos, a cidade manteve a participação de 0,3% na riqueza do país, mas foi superada por João Pessoa e Teresina. 

Entre os municípios com maior PIB, Porto Alegre ultrapassou Campos dos Goytacazes (RJ), que ocupava a sétima posição em 2013. Ainda em 2014, os 557 municípios mais ricos geraram 97,3 vezes mais renda que os 3.342 menores.

Enquanto 652 municípios agregavam metade da agropecuária brasileira, na indústria são 76

Enquanto a agropecuária era a atividade econômica mais pulverizada no país em 2014, a indústria era a mais concentrada. Naquele ano, 168 municípios agregavam aproximadamente 25% do Valor Adicionado (VA) da agropecuária do Brasil e 652 somavam metade do VA do setor. 

Em relação à indústria, apenas 15 municípios concentravam aproximadamente 25% do VA do segmento e com 76 cidades chegava-se à metade do VA da atividade.  São Paulo manteve-se como o principal polo industrial do país, com participação de 5,6% no VA nacional em 2014. 


 DC Recomenda
 
 Comente essa história