Júri de ex-PM passa a se concentrar na suposta existência de um facão no local do crime Cristiano Estrela/Agencia RBS

Foto: Cristiano Estrela / Agencia RBS

Com seis horas de julgamento e 10 testemunhas de acusação, o júri popular do ex-policial militar Luis Paulo Mota Brentano, que matou a tiros o surfista Ricardo dos Santos, o Ricardinho, passou a se focar na tarde desta quinta-feira na existência ou não de um facão no local do crime. A justificativa da defesa do acusado é que a vítima estava com a arma na mão e por conta disso é que o ex-soldado atirou durante uma discussão, sob o argumento de legítima defesa.

A primeira pessoa a ser enfaticamente questionada sobre o material foi o sargento da Polícia Militar (PM) que estava de serviço na hora do assassinato. Ele relatou que ouviu de colegas dentro da  viatura que um casal de hippies havia visto o facão na cena do crime. Com perguntas frequentes da juíza, promotor e advogados, o sargento chegou a gaguejar por vários momentos e dizer que não comunicou o delegado responsável pelo caso porque achava que o relato ouvido era informal.

Depois do PM, prestou depoimento Marcelo Arruda, delegado responsável pela investigação na Polícia Civil. Sobre a existência do facão, insistentemente questionado novamente, Arruda disse que os policiais investigaram o fato depois de ouvir o relato de um tenente militar. No entanto, não se chegou à conclusão da existência da arma no crime. Os hippies citados pela denúncia chegaram a ser procurados, segundo o delegado, mas nada se encontrou.

Caso a tese de legítima defesa dos advogados do réu se configure, a pena pode ser reduzida e até mesmo dar a absolvição ao réu. Para Arruda, entretanto, mesmo que o facão estivesse com Ricardinho, a justificativa não iria se configurar porque a reação do acusado foi desproporcional.

O promotor Alexandre Carrinho Muniz chegou a lembrar que durante a reconstituição um facão foi encontrado ao lado de uma árvore. Como resposta, o delegado disse que tinha ido ao local dias antes e não havia visto a arma. Além disso, completou que o material foi levado por um perito para ajudar na reprodução da alegação do acusado.

Relembre o caso

O crime ocorreu no dia 19 de janeiro de 2015. Segundo a denúncia do Ministério Público (MP), o então policial militar Luis Paulo Mota Brentano estava na Guarda do Embaú, em Palhoça, passando férias com o irmão de 17 anos. No dia anterior, afirma o MP, os dois teriam ingerido bebidas alcoólicas de maneira excessiva até a manhã seguinte.

Por volta de 8h, Mota teria dirigido o próprio carro embriagado até a entrada de uma residência, exatamente onde seria feita por Ricardinho uma obra de encanamento. Depois disso, relata a denúncia, o surfista e o avô, Nicolau dos Santos, teriam pedido ao policial que retirasse o veículo do local, mas Mota se negou e chegou a afrontá-los.

Do interior do veículo, explica a denúncia feita pelo Ministério Público de Santa Catarina, o policial teria atirado três vezes contra Ricardinho, sendo que duas balas atingiram o surfista. Leandro Nunes, advogado de defesa do acusado, afirma que Mota reagiu em legítima defesa, "diante de ataque de Ricardo dos Santos".

Leia mais notícias:

Júri começa com expectativa de embate sobre legítima defesa

Mãe de Ricardinho: "Não o conheço. E não conseguiria vê-lo"

Juíza proíbe imprensa de fazer imagens de ex-PM durante julgamento

"Tudo acabou naquele minuto, foi uma morte de graça", diz avô e testemunha da morte de Ricardinho


 Veja também
 
 Comente essa história