Com mediação da ONU, negociação sobre conflito na Síria ocorrerá no fim de fevereiro ANDREJ ISAKOVIC/AFP

Foto: ANDREJ ISAKOVIC / AFP

As negociações de paz sobre a Síria, mediadas pela ONU e previstas para acontecer em Genebra, em 8 de fevereiro, foram adiadas para o fim do próximo mês, anunciou o ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov.

Lavrov fez o anúncio, nesta sexta-feira, no início de um encontro com os opositores sírios em Moscou, após as negociações de Astana que terminaram na última terça-feira e reuniram, pela primeira vez desde o começo do conflito sírio, representantes do regime e combatentes rebeldes.

— É agradável ver que o anúncio do encontro de Astana, a preparação do encontro, motivou nossos colegas da ONU a se agitarem um pouco e anunciar negociações entre sírios em Genebra, apesar da data de 8 de fevereiro ter sido adiada para o fim do próximo mês — disse.

Leia mais
Governo e rebeldes definem criação de "mecanismo para garantir cessar-fogo"
Menina síria famosa por tuítes durante cerco a Aleppo envia mensagem a Trump

Os líderes da oposição síria no exílio, convidados ao encontro em Moscou, rejeitaram a oferta, enquanto um representante dos curdos sírios do Partido da União Democrática (PYD) anunciou presença. No total, 25 opositores sírios foram convidados por Moscou ao encontro com Lavrov, mas apenas oito estavam presentes.

Os representantes dos rebeldes que participaram nas negociações com o regime no início da semana em Astana não foram convidados.

— Estamos convencidos de que se não apresentarmos propostas concretas nunca poderemos começar um trabalho concreto — declarou Lavrov.

Os russos afirmaram que transmitiram aos rebeldes em Astana um projeto de Constituição. Mas uma fonte da delegação rebelde presente na capital cazaque afirmou nesta terça-feira à AFP que este projeto foi rejeitado porque os insurgentes não aceitaram falar sobre o mesmo.

— Consideramos que todos os sírios, ante a preparação do encontro de Genebra, devem se familiarizar com o projeto — afirmou o ministro russo.


 Veja também
 
 Comente essa história