A morte de Jéssica Maiara Meireles Garcia, 17 anos, em novembro de 2014, em São José, na Grande Florianópolis, teve um desfecho na última sexta-feira com a condenação do tio da adolescente a 31 anos de prisão. André Luiz da Silva, 49 anos, respondia pelos crimes de homicídio qualificado, tentativa de estupro e ocultação de cadáver. Em todos ele foi considerado culpado pelo Tribunal do Júri.

Jéssica ficou cinco dias desaparecida antes de ter o corpo encontrado em um saco de lixo no Morro da Rússia, em São José, em 14 de novembro de 2014. O acusado foi preso menos de uma semana depois como principal suspeito do crime pela Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic).

No relato dado ao delegado Luis Felipe Rosado, que na época comandou a investigação, André Luiz confessou o crime. O homem teria admitido ter tentado abusar da adolescente, mas disse também que a morte da jovem foi um acidente. André teria dito que ao tentar passar a mão na adolescente ela teria reagido e pulado do carro em movimento, batendo a cabeça em uma calçada. Na sequência, a roda traseira do veículo teria passado por cima da jovem.

Dos 31 anos a que foi condenado, 22 deles foram pelo crime de homicídio, oito pela tentativa de estupro e um pela ocultação de cadáver. O advogado de André Luiz, Alessandro Sousa, pretende recorrer da sentença. Ele foi procurado pela reportagem, mas não atendeu à ligação.

 Veja também
 
 Comente essa história