Aliados do governo Temer resistem a fechar apoio à reforma da Previdência Ascom,VPR/Divulgação

Foto: Ascom,VPR / Divulgação

Apesar da pressão do governo, partidos da base aliada resistem em fechar questão a favor da Reforma da Previdência. Por enquanto, apenas lideranças do PMDB e PP afirmaram que devem adotar a medida para garantir os votos necessários para aprovar a proposta na Câmara. O jornal O Estado de S. Paulo ouviu líderes e dirigentes de 15 partidos da base, que somam quase 400 deputados.

Até mesmo aliados de primeira ordem, como o PSDB e o DEM, declararam não estar dispostos a obrigar suas bancadas a votar fechada com a proposta. Essa também é a posição do PSD, PR, PTB e PV. Já integrantes do PRB, PPS, PTN e PSC disseram que ainda iriam discutir o assunto, em reuniões que devem acontecer nas próximas semanas, mas a sinalização inicial é de que não devem impor um posicionamento às bancadas.

Leia mais
Governo Temer ainda tem dificuldade para aprovar reforma da Previdência
Reforma da Previdência: entenda as principais mudanças da proposta
Temer enquadra siglas "infiéis" para aprovar reformas

Apesar de serem da base, PSB, SD e PROS devem votar contra. No jargão político, o termo "fechar questão" é usado quando a legenda adota posição única sobre como cada um deve votar. O parlamentar que desrespeitar a ordem corre o risco de punição.

Diante dos vários sinais de rebelião no Congresso, o Palácio do Planalto escalou os ministros para pressionarem os deputados dos seus partidos a votarem a favor da reforma, sob o risco de perderem seus cargos no governo.

Aliados que votarem contra podem perder cargos

O presidente Michel Temer disse ontem que "vai avaliar" se os parlamentares dos partidos da base aliada que votarem contra a reforma poderão perder seus cargos. A declaração foi feita por ele depois de um evento no Itamaraty de comemoração ao dia do diplomata.

Questionado se a base pode perder cargos, se votar contra, Temer respondeu: 

— Espero que não. 

Diante da insistência de repórteres, ele disse:

— Isso não sei. Nós vamos examinar no futuro. 

Temer também minimizou traição de partidos como PSB e PRB na votação nesta semana da urgência da reforma trabalhista na terça-feira.

 Veja também
 
 Comente essa história