BRDE assina convênio com Embrapii para financiamento de projetos de inovação Marcelo Casagrande/Agencia RBS

Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e a Empresa Brasileira de Pesquisa de Inovação Industrial (Embrapii) assinam nesta quarta-feira um convênio para facilitar o financiamento de projetos inovadores já aprovados pelos polos e unidades credenciadas da entidade e aptos a receber recursos da entidade. A cerimônia de assinatura acontece durante a Jornada da Inovação e Competitividade da Indústria da Fiesc, na Capital.

A Embrapii atua por meio da cooperação com instituições de pesquisa científica e tecnológica, públicas ou privadas em várias regiões do país. De 2014 até setembro de 2016, havia 173 projetos em carteira, que somavam R$ 281 milhões em financiamento. A área de eletroeletrônica e informática lidera o número de projetos, com 40% do total, seguido pelo setor de metalúrgia, com 17%. A Embrapii oferece recursos financeiros não-reembolsáveis para a implantação de projetos de pesquisa e desenvolvimento em parceria com empresas. Até 30% dos projetos aprovados recebem subvenção. O restante do valor é dividido entre a empresa parceira e a unidade. Atualmente, há 27 unidades em operação.

O acordo da Embrapii com o BRDE vai permitir que empresas inovadoras da Região Sul, especialmente pequenas e médias, tenham acesso a capital para investir a contrapartida faltante e completar o valor total do projeto. 

— O papel do BRDE é oferecer crédito de longo prazo por meio do programa BRDE Inova, que prevê condições diferenciadas de financiamento para estes projetos que já foram analisados pelas unidades da EMBRAPII e que já demonstraram um elevado potencial inovador — explica Nelson Ronnie dos Santos, superintendente do BRDE em Santa Catarina.

Leia outras notícias sobre inovação:
E-commerce tem expectativa de crescer 12% e é oportunidade de investimento
Na contramão da crise, empresas apostam em exportações para crescer
Negócios que investem em sustentabilidade têm crescimento

 Veja também
 
 Comente essa história