Antes de abrir o 10º Congresso de Empregados da Celesc, em Chapecó, nesta quinta-feira, o governador Raimundo Colombo lamentou a saída de Antônio Gavazzoni de seu governo. Na entrevista, Colombo atribuiu ao ex-secretário da Fazenda as "conquistas importantes" que Santa Catarina obteve nos últimos anos. Gavazzoni pediu exoneração do cargo no início da semana, após ser citado em delações da Odebrecht e da JBS no âmbito da Lava-Jato. 

— Ele inspirou, compartilhou e contribuiu, mas tudo tem limite. Ele se sentiu extremamente ofendido e resolveu cuidar dessa parte jurídica. Ele era um colaborador extraordinário, mas a gente tem que respeitar a sua vontade — afirmou o governador.

Colombo também comentou sobre a delação premiada de diretores da JBS. Na quarta-feira, o governador esteve reunido com a cúpula do PSD para decidir como estancar a crise política que se formou em SC na última semana. 

— Não há prova nenhuma. Os fatos não aconteceram e é simples de verificar. Nós estamos vendo a questão de advogados para ter uma estratégia de defesa e esclarecer os fatos — afirmou. 

Nesta sexta-feira, Raimundo Colombo se encontra com prefeitos do Oeste catarinense para discutir as obras apoiadas pela segunda edição do Fundo de Apoio aos Municípios (Fundam). A agenda do governador também inclui uma visita ao radar meteorológico de Chapecó. 

Leia mais notícias:
"Encontrei meus limites", diz Gavazzoni ao deixar a Secretaria de Estado da Fazenda 

Presidente da Alesc já analisa pedidos de impeachment contra Raimundo Colombo, diz procurador 

 Veja também
 
 Comente essa história