"A França não reconhecerá a anexação da Crimeia" por parte da Rússia, declarou o presidente francês, Emmanuel Macron, em entrevista coletiva conjunta nesta segunda-feira (26), após encontro de cerca de uma hora com seu colega ucraniano, Petro Porochenko.

Falando em duros termos, Macron afirmou que "a França está vinculada à soberania da Ucrânia com suas fronteiras reconhecidas".

"Reafirmei ao presidente Poroshenko minha vontade de continuar o processo [de paz] de Minsk e de obter antes do G20 uma troca intensa" nos diálogos para encontrar uma solução para o conflito do qual participam França, Alemanha, Rússia e Ucrânia, completou Macron.

Nesse próximo encontro, que deve acontecer no fim de junho, ou início de julho, Macron disse esperar que sejam tratadas "as condições prévias para fazer a situação avançar: a retirada das forças perto da fronteira [entre Rússia e Ucrânia], com uma presença da OSCE, ou com uma capacidade internacional para garantir a segurança, avançar no tema do bloqueio e sobre os prisioneiros".

"Não devemos nos acostumar a discussões sem resultados", frisou.

Já o presidente Poroshenko comentou que espera uma "presença da OSCE" (Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa) 24 horas na linha de contato.

"Estou mais otimista depois desse encontro", indicou.

Desde 2014, o leste da Ucrânia está mergulhado em um conflito armado que opõe separatistas pró-russos às forças leais a Kiev. O conflito deixou mais de 10 mil mortos. A península da Crimeia foi anexada nesse ano pela Rússia.

União Europeia (UE) e Estados Unidos impuseram sanções à Rússia e reivindicam a aplicação dos acordos de Minsk de 2015.

* AFP

 Veja também
 
 Comente essa história