Maior adversário do PT e pilar do consórcio governista de Michel Temer, o PSDB vive um conflito de gerações movido a preocupações eleitorais. Enquanto a ala jovem do partido quer distância do Planalto, a velha guarda tenta preservar a imagem de responsável pelo equilíbrio institucional que mantém a política econômica e as reformas. O dilema será discutido em reunião nesta segunda-feira (12) à tarde em Brasília.

Ao cabo, o que o PSDB busca é evitar ser contaminado pela crise ética que assola o Planalto. Embora algumas de suas principais lideranças estejam sob investigação na Lava-Jato, os tucanos vislumbram a possibilidade real de vencer as eleições presidenciais de 2018. Na projeção dos mandarins do partido, esse suposto favoritismo decorre da frágil situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva — réu em cinco inquéritos e na iminência de ser condenado pelo juiz Sergio Moro — e da ausência de candidatos competitivos no PMDB.

Leia mais:
PSDB não deve tomar decisão de desembarque do governo nesta segunda-feira
Controladores da JBS promoveram nova venda de ações da empresa em maio
Ato pelas Diretas Já reúne artistas gaúchos na Redenção
Temer avalia ignorar lista tríplice na sucessão de Janot

O que causa dissenso é a forma como se credenciar à predileção dos eleitores. Para a bancada da Câmara — chamada de cabeças pretas em oposição ao tom grisalho do cabelo dos senadores —, o PSDB precisa abandonar Temer o mais rápido possível. Os cabeças brancas rejeitam uma saída intempestiva.

— O partido está muito dividido. Olha para os dois lados ao mesmo tempo: se sair, praticamente liquida as reformas. Se ficar, sustenta um governo malvisto pela população — afirma um espectador dos bastidores tucanos.

Caciques ameaçam faltar ao encontro

A mediação entre as duas alas vem sendo feita pelo presidente interino da legenda, senador Tasso Jereissati (CE). Alçado ao cargo após o titular Aécio Neves (MG) ser afastado do mandato de senador, Tasso tem buscado serenar os ânimos. Precavido, decidiu esperar o veredito do julgamento da chapa vencedora em 2014 no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Mas a absolvição do presidente não facilitou a tomada de decisão. Na quinta-feira, Tasso chegou a dizer que, se o TSE inocentasse Dilma Rousseff e Temer, "a casa cai", pois seria complicado explicar apoio a um presidente cujo mandato o próprio PSDB tentou cassar na Justiça. Agora, o partido terá de decidir também se recorre da absolvição ao Supremo Tribunal Federal (STF).

— Nossa ação era contra Dilma. Temer só virou presidente após o impeachment. O cenário agora é outro — tenta amenizar o líder no Senado, Paulo Bauer (SC).

A indefinição é tamanha que, embora essa seja a terceira vez que Tasso estipula uma data para o partido discutir a relação com o governo, é possível não haver definição. Alguns dos principais caciques tucanos podem não comparecer à reunião. Secretário-geral do PSDB, o deputado federal Silvio Torres (SP), um dos parlamentares mais próximos do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirma que o gestor paulista e outros governadores avaliam não comparecer.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso não irá ao encontro, segundo sua assessoria de imprensa, pois tem uma reunião no Instituto FHC.

— A ideia é não tomar uma decisão amanhã (hoje). Será mais ouvir os diversos segmentos. É muito curto o tempo entre a decisão do TSE e a reunião — disse Torres.

Nos bastidores, tucanos argumentam que, após o TSE, é preciso agora esperar a denúncia contra Temer que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deve enviar até o fim de junho.

— Temos que nos preocupar também com os 14 milhões de desempregados no Brasil e, sobre esse aspecto, é que o PSDB deve decidir — afirmou o líder do PSDB na Câmara, Ricardo Tripoli (SP).

Há ainda no cenário a possibilidade de um meio termo. A "saída branca" do PSDB do governo teria uma declaração formal de que a sigla desembarca, mas ministros tucanos poderiam permanecer como cota pessoal de Temer. Além disso, sinalizou o próprio Tasso no final da semana passada, sair do governo não significa votar contra as reformas.

Por apoio em 2018, PMDB cobra "reciprocidade"

Com quatro ministérios — Cidades, Direitos Humanos, Relações Exteriores e Secretaria de Governo — e a segunda maior bancada na Câmara e no Senado, o partido foi aliado de Temer desde a construção do impeachment de Dilma. Ganhou cargos na Esplanada, gabinete no Planalto e poder de decisão nos rumos da economia. Quando as delações da JBS vieram à tona, o ministro das Cidades, Bruno Araújo (PE), chegou a escrever carta de demissão, mas foi convencido por Tasso a recuar.

O senador entende que, além do apoio político, o PSDB serve como avalista do governo junto ao mercado e ao setor produtivo, interessados na aprovação das reformas trabalhista e da Previdência. Para o PSDB, essa aliança é conveniente, pois uma vez aprovadas as mudanças, os tucanos não teriam o desgaste de tomar medidas impopulares semelhantes caso vençam eleições em 2018.

O cálculo político que conduz os passos de Tasso também leva em conta a necessidade de apoio do PMDB na próxima disputa presidencial. Nos últimos dias, diante do crescente desgaste de Temer, o senador deu sinais de que passou a sucumbir às pressões dos cabeças pretas do partido. Logo foi confrontado por uma ameaça explícita do líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR).

— Se o PSDB deixar hoje a base, vai ficar muito difícil de o PMDB apoiá-lo nas eleições de 2018. Política é feita de reciprocidade — alertou Jucá.

No Planalto, o risco de um desembarque do PSDB é motivo de preocupação constante. Para monitorar o humor do partido, Temer busca amparo nos ministros Antônio Imbassahy (Secretaria de Governo) e Aloysio Nunes (Relações Exteriores), que seguem fieis.

Outro que tem trabalhado para manter a aliança é Aécio, sobretudo pelo temor de que o rompimento leve o PMDB a votar pela cassação do seu mandato no Conselho de Ética. O governador Geraldo Alckmin, e o prefeito de São Paulo, João Doria, também afiançaram apoio a Temer. A incógnita nesta equação é a postura do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, mentor dos cabeças brancas.

Leia as últimas notícias de Política

* Colaborou Caio Cigana, com agências

 Veja também
 
 Comente essa história