Brasil pode gerar 2 milhões de vagas nos próximos dois anos com trabalhista, diz ministro Gabriela Korossy/Agência Câmara

Brasil pode gerar 2 milhões de vagas nos próximos dois anos com reforma trabalhista, disse ministro do Trabalho.

Foto: Gabriela Korossy / Agência Câmara

O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, afirmou nesta segunda-feira (17) que, nos próximos dois anos, o Brasil tem capacidade de gerar 2 milhões de postos de trabalho com a reforma trabalhista. Segundo ele, com base em estudo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), este salto se daria em modalidades específicas previstas na reforma.

— São o contrato por jornada parcial, o contrato de trabalho intermitente e o contrato por produtividade. Estes são os novos contratos que surgiram com a reforma — afirmou. — Juntos, poderão gerar 2 milhões de empregos em dois anos. 

Leia mais:
Reforma trabalhista: veja quais contribuições sindicais seguem valendo
Para especialistas, "nova CLT" gera dúvidas e pode parar na Justiça
Jucá admite fatiar Previdência para facilitar aprovação

Segundo ele, existem hoje no país 38,6 milhões de empregos formais. Daqui a dois anos, o montante chegará aos 40 milhões. 

— E quem dizia que o trabalhador ia perder direito (com a reforma) vai ter de se explicar daqui para frente — afirmou. — A segurança jurídica é fundamental. Logo, o mercado dará sinais de confiança.

Reforma ministerial

Questionado durante a coletiva sobre possível reforma ministerial, em função da luta do governo para enterrar a denúncia contra o presidente Michel Temer, Nogueira, que é do PTB, saiu pela tangente. 

— Sou ministro do Trabalho. Quem defende o conjunto de apoios do governo é o presidente — disse Nogueira.

A respeito da medida provisória que pode regulamentar pontos da reforma trabalhista, Nogueira afirmou que a expectativa é de que ela seja editada logo após o recesso parlamentar. Ele ressaltou, porém, que o fim do imposto sindical obrigatório é definitivo. 

— O imposto sindical não existe mais, ele é facultativo. A Câmara não será afrontada neste sentido — concluiu.

 Veja também
 
 Comente essa história