A aeronave que vai atuar no Serviço Aeropolicial (SAER) em Criciúma, já realizou um sobrevoo no município
Foto: PAULA DARÓS / DIVULGAÇÃO

O Serviço Aeropolicial da Polícia Civil (SAER) em Criciúma, ameaçado de parar por falta de verba para realizar uma nova licitação, vai ser amparado por um contrato emergencial Na tarde desta segunda-feira, uma comitiva do Sul do Estado se reuniu com o vice-governador Eduardo Pinheiro Moreira para discutir a contratação do serviço, cujo prazo encerra dia 19 deste mês. 

O aluguel da aeronave, manutenção e seguro custam, em média R$ 150 mil por mês, segundo o delegado Gilberto Mondini, coordenador do Saer Criciúma. Moreira disse que a Secretaria de Estado da Segurança Pública já está autorizada a fazer um contrato emergencial para manter o serviço durante o próximo ano, até que a nova licitação que autoriza o aluguel da aeronave seja realizada. 

— É claro que o helicóptero do SAER vai continuar na região sul. Isso é uma decisão que já foi tomada e autorizamos a secretaria de Segurança Pública estender este contrato — garantiu o vice-governador.

Na época em que o serviço foi instalado, em novembro do ano passado, uma força-tarefa envolvendo poder público e iniciativa privada fez toda a reforma necessária no prédio que hoje abriga o Saer, na Vila Macarini. Foram cerca de R$ 230 mil investidos, a partir da colaboração do empresariado da região.

Leia mais:
Suspeitos de atentados no Litoral catarinense são presos durante operação da Polícia Civil
Polícia Civil faz nova operação contra facção responsável por atentados em Santa Catarina 


 Veja também
 
 Comente essa história