Mais de um mês após decisão judicial que determinou a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para  investigar a festa de aniversário de Florianópolis, organizada pela prefeitura da Capital com repasses da iniciativa privada em 23 de março deste ano, a Câmara de Vereadores enfim constituiu os membros da CPI e instalou a comissão cujos trabalhos começam na próxima segunda-feira, dia 9.

Membro mais velho da CPI, o vereador Afrânio Boppré (PSOL) convocou a reunião para segunda, às 13h, com a participação dos outros quatro integrantes: vereadores Pedrão (PP) – indicado, junto com Afrânio, pelo bloco da oposição -, Rafael Daux (PMDB), Roberto Katumi (PSD) e Claudinei Marques (PRB) – estes dos partidos da situação. Na reunião, os parlamentares escolherão no voto o presidente e o relator da comissão.

A intenção da comissão, de acordo com a ato de constituição, é apurar denúncia anônima a respeito da tramitação de matérias na Câmara Municipal por ocasião da convocação extraordinária, relações empresariais promíscuas com o poder público por conta do Carnaval e aniversário da cidade, além de envolver agente público (Doreni Caramori Júnior) e sua empresa GBC Eventos Ltda e a Ambev. 

Além da CPI, o assunto também é investigado em um inquérito civil público aberto em abril na 31° Promotoria da Capital, que trata da moralidade administrativa. A assessoria da promotora Juliana Padrão Serra, responsável pelo inquérito, informou à reportagem que a investigação está em estado de espera para acompanhar os desdobramentos da CPI e eventual troca de informações e provas entre as partes.

A CPI havia sido arquivada na Câmara em abril, mas foi instalada por determinação da Justiça, que acatou pedido protocolado por cinco vereadores no Ministério Público Estadual (MP-SC). Agora, os vereadores terão 90 dias, prorrogáveis por mais 90 dias, para apresentar o resultado das investigações. 

Contraponto

Bruno Oliveira, chefe de gabinete do prefeito Gean Loureiro, disse que a prefeitura respeita a independência e a decisão da Câmara de Vereadores. Da parte do município, destaca, há o entendimento de que o show foi realizado por entes privados e não há participação da prefeitura.

— Mas a gente respeita a independência da Câmara para fazer a CPI.

A reportagem conversou com o empresário Doreni Caramori Júnior nesta quinta-feira e ele manteve o que disse em 26 de setembro, quando informou que tomará conhecimento do assunto, já que ficou sabendo da informação pela imprensa.

— É uma novidade pra mim, fui à Câmara, prestei todos os esclarecimentos necessários, recebi a notícia pelo jornal. Vou fazer os esclarecimentos sempre que houver necessidade, uma vez que não teve nenhuma irregularidade. De minha parte há uma surpresa enorme com esse assunto que já foi mais do que esclarecido com respostas aos vereadores, que tiveram oportunidade de fazer todas as perguntas.

A reportagem aguarda uma posição da Ambev.

 Veja também
 
 Comente essa história