Efapi abre com expectativa de R$ 150 milhões em negócios  ANGÉLICA LÜERSEN/Especial

Claudir Briesch, num trator de R$ 220 mil e Marcos Andrighetti, que participa das provas do Freio de Ouro, são gaúchos que se surpreenderam com o tamanho da feira que inicia no Oeste Catarinense

Foto: ANGÉLICA LÜERSEN / Especial

A maior feira do Oeste de Santa Catarina e uma das maiores feiras multissetoriais do Sul do país, a Exposição Feira Agropecuária, Industrial e Comercial de Chapecó (Efapi)  inicia nesta sexta-feira, no Parque de Exposições Tancredo Neves, com expectativa de R$ 150 milhões em negócios.

A abertura será às 17h30, no Pavilhão 4, o pavilhão Automotivo, onde estarão expostos as novidades em veículos e também belas motos Harley Davidson, de um expositor de Florianópolis. O governador Raimundo Colombo confirmou presença.

Na área externa há expositores tradicionais como a Mantomac, que há 30 anos está presente, com linha de retroescavadeiras, carregadeiras e tratores, entre outros. O diretor técnico, Pedro Marchi, está otimista.

- Queremos atingir nossa meta que é vender 25 máquinas, o que representa R$ 8 milhões a R$10 milhões em negócios – projetou.

Há pavilhões também para indústrias, comércio e instituições. São 400 expositores, distribuídos numa área de 210 mil metros quadrados, sendo 14 mil metros quadrados de área coberta.

- Temos um dos maiores parques do Sul do país e a Efapi é uma feira multissetorial que foca tanto em negócios da indústria, comércio e equipamentos, mas também no setor agropecuário, gastronomia e shows – explicou o presidente da Comissão Central Organizadora, Josias Mascarello.

Somente na organização são cerca de 200 pessoas em vinte comissões setoriais. Mascarello estima que, somente durante a feira, são injetados R$ 13,5 milhões na economia local e gerados 3,5 mil empregos temporários.

A cidade de Chapecó praticamente se muda para o parque. Autoridades do Governo do Estado, Assembleia Legislativa, Prefeitura e entidades estarão todos presentes na feira.

- Em 45 dias comercializamos quase todos os espaços da feira – lembrou o presidente.

Neste ano a feira tem um apelo especial. Primeiro porque não é realizada há quatro anos. Em 2015, no auge da crise econômica, a administração municipal, que organiza a feira, em conjunto com as entidades, resolveu não organizar o evento.

Agora a Efapi comemora seu 50º aniversário, sua 20ª edição, no ano do Centenário do Município. Tanto que nos muros do parque foram colocados painéis com fotos que mostram a evolução da cidade e também todas as edições da feira.

Na primeira edição da Efapi, em 1967, Chapecó tinha menos de um quarto da atual população, que é de 213 mil habitantes. 

Um dos coordenadores do setor agropecuário, Ricardo Lunardi, participou da primeira edição, quando tinha sete anos. 

- Apesar de ser no mesmo local que é hoje na época ela ficava longe da cidade, tinha estrada de chão e os carros atolavam, mas parecia mais glamourosa, pelo menos para mim, que achava muito bonito os desfiles dos animais – lembra Lunardi.

Seu pai, Valmor Lunardi, foi o primeiro presidente da Efapi, que na época era organizada pela Sociedade Amigos de Chapecó.

- A ideia da Efapi surgiu nas viagens que meu pai fazia com o Serafim Bertaso para visitar a feira que existia no bairro Menino Deus, em Porto Alegre – lembra Ricardo.

E a feira, que nasceu agropecuária, cresceu e abrangeu outros setores. Mas mantém o espírito do campo, que é uma das características da região.

 Veja também
 
 Comente essa história