Em nota oficial no fim da tarde desta segunda-feira, o procurador geral do Estado, João dos Passos Martins Neto, além de lamentar a morte de Luiz Carlos Cancellier, cobrou a "apuração das responsabilidades civis, criminais e administrativas das autoridades policiais e judiciárias envolvidas" na Operação Ouvidos Moucos, que resultou na prisão de Cancellier em 14 de setembro. O reitor afastado da UFSC cometeu suicídio nesta manhã, em um shopping no Centro de Florianópolis.

Segundo o procurador geral, "as informações disponíveis indicam que Cancellier padeceu sob o abuso de autoridade" na Ouvidos Moucos, o que gerou "causas eficientes do dano psicológico que o levaram a tirar a própria vida".

Confira a íntegra da nota:

O Procurador Geral do Estado vem a público manifestar profundo pesar pelo falecimento do Professor Luiz Carlos Cancellier de Olivo, Magnífico Reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, bem como solidarizar-se com seus familiares e amigos.

A morte de Cancellier enluta Santa Catarina pela perda de um de seus filhos mais ilustres, um homem digno, de poucas posses, que devotou os últimos anos de sua rica trajetória profissional à nobre causa do ensino, da pesquisa e da extensão universitárias.

A tragédia de sua partida ocorre sob condições revoltantes. As informações disponíveis indicam que Cancellier padeceu sob o abuso de autoridade, seja em relação ao decreto de prisão temporária contra si expedido, seja em relação à imposição de afastamento do exercício do mandato, causas eficientes do dano psicológico que o levaram a tirar a própria vida.

Por isso, respeitado o devido processo legal, é indispensável a apuração das responsabilidades civis, criminais e administrativas das autoridades policiais e judiciárias envolvidas.

Que o legado do professor Luiz Carlos Cancellier de Olivo seja, em meio a tantos outros bens que nos deixou, também o de ter exposto ao país a perversidade de um sistema de justiça criminal sedento de luz e fama, especializado em antecipar penas e martirizar inocentes, sob o falso pretexto de garantir a eficácia de suas investigações.

Morte em shopping no Centro da Capital

O reitor afastado da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), professor Luiz Carlos Cancellier de Olivo, matou-se na manhã desta segunda-feira em Florianópolis. Segundo a Polícia Militar, ele se atirou do último piso em direção ao vão central do Beiramar Shopping, por volta das 10h30min. A PM foi acionada para atender a ocorrência e chegou ao local poucos minutos depois. O delegado responsável pela Delegacia de Homicídios da Capital, Ênio Matos, confirmou o suicídio. 

O local da queda foi isolado para o trabalho da perícia. Uma tenda foi usada para cobrir o espaço. O corpo foi retirado do local por volta do meio-dia e foi levado para o Instituto Médico Legal (IML). Cancellier teria entrado no Beiramar com o próprio carro. O shopping continuou funcionando normalmente e não há previsão de ser fechado.

Saiba mais

Saiba como identificar sinais de alerta e ajudar na prevenção do suicídio 

Reitor da UFSC comete suicídio em shopping de Florianópolis

Reitor Luiz Carlos Cancellier nega obstrução na UFSC e diz sentir-se um exilado

"Pressões começaram logo após a minha posse", diz corregedor que investiga desvio de bolsas na UFSC

Corregedoria da UFSC pediu afastamento de reitor dois meses antes de operação da PF

Mesmo sem repasse, UFSC mantém aulas em cursos de ensino a distância

Reitor da UFSC é preso em operação da PF que investiga desvio de recursos

 Veja também
 
 Comente essa história