Reitor da UFSC comete suicídio em shopping de Florianópolis Diorgenes Pandini / Diario Catarinense/Diario Catarinense

Foto: Diorgenes Pandini / Diario Catarinense / Diario Catarinense

O reitor afastado da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), professor Luiz Carlos Cancellier de Olivo, morreu na manhã desta segunda-feira em Florianópolis. Segundo a Polícia Militar, ele se atirou do último piso em direção ao vão central do Beiramar Shopping, por volta das 10h30min. A PM foi acionada para atender a ocorrência e chegou ao local poucos minutos depois. O delegado responsável pela Delegacia de Homicídios da Capital, Ênio Matos, confirmou o suicídio. 

O local da queda foi isolado para o trabalho da perícia. Uma tenda foi usada para cobrir o espaço. O corpo foi retirado do local por volta do meio-dia e foi levado para o Instituto Médico Legal (IML). Cancellier teria entrado no Beiramar com o próprio carro. O shopping continuou funcionando normalmente e não há previsão de ser fechado. 

 Florianópolis, SC, Brasil, 101/05/2016.Posse do novo Reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Luiz Carlos Cancellier no Centro de Eventos.
Foto: Charles Guerra / Agencia RBS

Amigos e familiares, entre eles o irmão Júlio Cancellier, estiveram no shopping na manhã desta segunda-feira. A secretaria de Justiça e Cidadania, Ada Faraco De Luca, e uma comitiva da UFSC também passaram pelo Beiramar. O clima até o meio-dia era de consternação. Pessoas manifestaram tristeza em volta do local onde o corpo caiu.  Uma mulher chegou a abordar a polícia para saber quem era a pessoa morta. Ela estava preocupada que poderia ser um parente que sofre de depressão. 

A UFSC divulgou uma nota de pesar e informou que as atividades foram paralisadas nas pró-reitorias e nas secretarias da administração central. As unidades acadêmicas estão reunidas para saber se as aulas da graduação e pós-graduação também serão interrompidas.

Cancellier havia sido preso temporariamente no dia 14 de setembro na Operação Ouvidos Moucos da Polícia Federal, que investiga desvio de verba em bolsas de educação à distância do programa Universidade Aberta do Brasil (UAB). Ele e outros seis investigados ficaram presos por um dia. A suspeita era de que o reitor havia interferido nas investigações que haviam iniciado na corregedoria da universidade. 

A Justiça Federal de Florianópolis chegou a autorizado o reitor, que estava afastado do cargo, a entrar na universidade para que ele pudesse orientar os seus alunos de mestrado e doutorado. A autorização de permanência na UFSC era de três horas.

Em entrevista ao colunista Moacir Pereira, o reitor sustentou que a investigação da corregedoria foi avocada por força de parecer da Procuradoria Federal, órgão independente da Advocacia-Geral da União que atua dentro da Reitoria. 

Segundo Cancellier, o que estava em discussão sobre as investigações era a tese da competência para prosseguir nas investigações, uma vez que o programa de ensino a distância tinha recursos da Capes. Como o órgão do MEC pediu informações, o reitor alegou que viajou a Brasília com o procurador federal para prestar os esclarecimentos.

— Este afastamento é um exílio. Eu moro a três metros da Universidade. Saio de casa e estou dentro da Universidade. E não posso entrar na casa em que vivo e convivo desde 1977.  As manifestações me dão conforto. O corpo está muito sofrido, mas a solidariedade conforta a alma.  Tenho circulado na cidade e só recebo gestos de carinho — disse durante a entrevista publicada no dia 20 de setembro

Veja a nota do Beiramar Shopping

É com pesar que o Beiramar Shopping confirma a ocorrência de um suicídio na manhã desta segunda-feira. Segundo boletim divulgado pela Polícia Militar, confirma-se a identidade da vítima, sendo o reitor da UFSC, Luís Carlos Cancellier.

Leia mais

Saiba como identificar sinais de alerta e ajudar na prevenção do suicídio 

Reitor Luiz Carlos Cancellier nega obstrução na UFSC e diz sentir-se um exilado

"Pressões começaram logo após a minha posse", diz corregedor que investiga desvio de bolsas na UFSC

Corregedoria da UFSC pediu afastamento de reitor dois meses antes de operação da PF

Mesmo sem repasse, UFSC mantém aulas em cursos de ensino a distância

Reitor da UFSC é preso em operação da PF que investiga desvio de recursos

 Veja também
 
 Comente essa história