Carolina Bahia: à mesa com o presidente Alan Santos / PR/Divulgação

Michel Temer está com a agenda dedicada às articulações voltadas à reforma da Previdência. 

Foto: Alan Santos / PR / Divulgação

Reunião com prefeitos, almoço com governadores, jantar com deputados. O presidente Michel Temer está com a agenda dedicada às articulações voltadas à reforma da Previdência, buscando apoio em todas as áreas para convencer os deputados a aprovarem a nova reforma. O governador Raimundo Colombo deve participar do encontro. Concentrado na idade mínima e nos funcionários públicos, o texto já tem mais simpatizantes do que a reforma original. O discurso do combate aos privilégios da elite do funcionalismo facilita o argumento dos governistas junto ao eleitorado. Deputados dispostos a concorrer a um cargo majoritário, no entanto, continuam resistentes.

Pequenas empresas
A pedido da Presidência da República, projeto do deputado Jorginho Mello (PR-SC) que contempla micro e pequenas empresas será resgatado. Mais enxuta, a proposta ficará com oito itens, entre eles o chamado cadastro positivo. A medida faz parte da chamada pauta positiva, que o presidente Temer quer retomar.

Liberou
Depois de muita pressão dos prefeitos, o ministro Ricardo Barros (Saúde) admitiu a flexibilização das regras para o funcionamento das UPAs. Diante do grande número de prédios prontos, mas fechados, o ministro afirmou que os prefeitos poderão adaptar as estruturas de acordo com orçamento de cada município. A medida teve o aval do ministro do Tribunal de Contas da União Augusto Nardes.

Sem sentido
Situações absurdas continuam a ocorrer no Congresso. Até o momento, a CPI dos Maus Tratos não desistiu da condução coercitiva do curador da exposição Queermuseu, Gaudêncio Fidelis. Senadores, liderados por Magno Malta (PR-ES), querem ouvir Fidelis amanhã, às 9h, ainda sobre a polêmica da exposição cancelada em Porto Alegre.

Frase
O novo diretor da PF, Fernando Segovia, conseguiu despertar a ira de integrantes da Lava-Jato ao levantar dúvidas sobre as investigações envolvendo Temer. O procurador da força-tarefa Carlos Fernando dos Santos Lima mandou um recado nas redes sociais:

— Uma pergunta: quantas malas de dinheiro são suficientes para o novo diretor-geral da Polícia Federal?

Leia outras colunas de Carolina Bahia:

Carolina Bahia: um padrinho para a reforma

Carolina Bahia: "operação abafa" frustra Lava-Jato

Carolina Bahia: o último sacrifício

 Veja também
 
 Comente essa história