O governo Temer é impopular, mas os políticos que serão candidatos no ano que vem não querem largar os ministérios que comandam. Estão agarrados ao poder não por preocupação com os rumos das políticas sociais ou da economia, mas porque querem aproveitar a máquina pública até a última gota para bombar as próprias campanhas. Oficialmente, eles só precisam deixar a Esplanada no final de março. Sem a possibilidade de financiamento empresarial, com recursos públicos limitados para o período eleitoral, quem tem essas estruturas à disposição sai na frente. Basta observar as agendas dos ministros, que não perdem a chance de receber prefeitos de suas regiões e de voltar às bases políticas. Nas redes sociais, o ministro Moreira Franco (Secretaria Geral) esclareceu que não foi dele a ideia de uma reforma ampla neste momento, mas do ministro tucano Aloysio Nunes (Relações Exteriores). No momento, Michel Temer analisa qual será a melhor engenharia política para agradar aos aliados, sem detonar insatisfações.

Critérios
O presidente da Caixa, Gilberto Occhi, afirma que não está se preparando para deixar o banco e assumir novamente o Ministério das Cidades. O nome dele, no entanto, está na lista de indicações do PP, ao lado do deputado Aguinaldo Ribeiro (PB). Líder do governo, Aguinaldo já comandou a pasta no governo Dilma. O fato de ter sido denunciado pela PGR por envolvimento na Lava-Jato não é empecilho.

Escravo
A polêmica envolvendo o trabalho escravo ainda não morreu. O ministro Ronaldo Nogueira (Trabalho) tem se reunido com a procuradora-geral da República, Raquel Dodge. A ideia é elaborar um texto que poderá ser submetido à análise do Congresso. Considerada um retrocesso, a portaria do trabalho escravo está suspensa por uma liminar do Supremo Tribunal Federal.

Desperdício
A absurda situação das UPAs que estão prontas, mas fechadas por falta de recursos, será levada ao Tribunal de Contas da União no próximo dia 21. Os prefeitos querem autorização para devolver a verba federal em até 60 vezes. Com isso, poderão utilizar os prédios para outros fins, como postos de saúde.

Leia outras colunas de Carolina Bahia

Leia mais:

Carolina Bahia: Começa o desembarque

A ministra que queria acumular salários

Carolina Bahia: ministros que falam demais

 Veja também
 
 Comente essa história