Eduarda Demeneck: Infraero assina contrato para administrar aeroporto de Correia Pinto   Pablo Gomes/ADR Lages

Foto: Pablo Gomes / ADR Lages

 A assinatura do contrato de administração, manutenção e de consultoria do Aeroporto Regional do Planalto Serrano, em Correia Pinto, com a Infraero foi feita nesta terça-feira. O governador Raimundo Colombo e o prefeito de Correia Pinto, Celso Rogério Ribeiro (PP) participaram do ato. Na prática, a unidade deixa de ser administrada pelo governo e passa a ser da Infraero, conforme antecipado por esta coluna no dia 18 de novembro. De acordo com Colombo, a última etapa foi vencida, falta agora a homologação, que segundo ele deve acontecer em alguns meses, para que o aeroporto possa finalmente operar.

A estrutura começou a ser construída há 15 anos, teve um investimento de R$ 40,3 milhões (se reajustado, valor ultrapassa R$ 63 milhões) e até hoje está sem uso. O governo catarinense afirma que todos os equipamentos como balizamento noturno, farol de aeródromo, biruta iluminada, casa de força, sistema de radionavegação, entre outros, já foi comprado. A estrutura tem mais de dois milhões de metros quadrados de área, que vai comportar, inclusive, aviões da Boeing.

A intenção é receber também voos com cargas compartilhadas. Segundo o diretor de transportes da Secretaria de Estado da Infraestrutura, José Carlos Müller Filho, o processo de homologação já foi iniciado e envolve a aprovação do Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta II), ligado à Aeronáutica, e da Agência Nacional da Aviação Civil (Anac), agência reguladora. A esperança é que com a Infraero administrando o local a operação do aeroporto finalmente aconteça no ano que vem. 

 Acompanhe as publicações de Eduarda Demeneck no De ponto a ponto 

Leia também:

Eduarda Demeneck: Infraero vai operar aeroporto de Correia Pinto

 Eduarda Demeneck: SC-114 aguarda reparos desde maio deste ano

 Eduarda Demeneck: operação investiga fraudes no trabalho externo de detentos

 Veja também
 
 Comente essa história